Horas depois da renúncia de Eduardo Cunha, 14 deputados de dez partidos já haviam se candidatado à presidência da Câmara

Eduardo Cunha anunciou renúncia na tarde de quinta-feira (7) em entrevista coletiva
Agência Brasil
Eduardo Cunha anunciou renúncia na tarde de quinta-feira (7) em entrevista coletiva


Em entrevista coletiva às 13h da quinta-feira (7), o deputado afastado Eduardo Cunha anunciou sua decisão de renunciar à presidência da Câmara  – cargo do qual também estava afastado desde maio, por decisão do Supremo Tribunal Federal . A votação para a escolha do sucessor de Cunha está marcada para a próxima terça-feira (12) e 14 parlamentares de dez partidos já se candidataram ao cargo.

+ Do auge à queda: a trajetória de poder de Cunha em 5 capítulos

Com perfil conciliador e capacidade de unir os partidos da base aliada a Michel Temer, o líder do PSD Rogério Rosso é um dos nomes que mais agrada aos partidos do Centrão. Rodrigo Maia e Fernando Giacobo também são considerados.

Confira a lista completa:

PSB: Hugo Leal (RJ), Júlio Delgado (MG) e Heráclito Fortes (PI). PMDB: Osmar Serraglio (PR) e Marcelo Castro (PI). DEM: Rodrigo Maia (RJ) e José Carlos Aleluia (BA). PSD: Rogério Rosso (DF). PSDB: Antônio Imbassahy (BA). PP: Esperidião Amin (SC). SD: Carlos Manato (ES). PRB: Beto Mansur (SP). PR: Fernando Giacobo (PR). PTB: Cristiane Brasil (RJ).

Manobra

Presidente interino da Câmara, Waldir Maranhão (PP-MA) havia marcado a votação para escolher o sucessor de Cunha para a próxima quinta-feira (14), mas teve sua decisão atropelada pelo chamado “Centrão”. Líderes dos partidos favoráveis ao peemedebista escolheram agendar a votação para a próxima terça-feira (12). 

A data foi escolhida na tarde de quinta-feira (7), comandada por dois aliados do deputado afastado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) – o líder do governo na Câmara, André Moura (PSC-SE), e o líder do PTB, Jovair Arantes (GO). Até o fim do dia, eram 14 os candidatos à sucessão do peemedebista.

"Ficou decidido pela maioria dos líderes que representam 280 deputados, que o processo de eleição se dará na terça-feira às 13h59min, porque já havia uma sessão convocada. Essa decisão é permitida pelo regimento da Casa e agora obviamente vamos cumprir o que foi determinado pelos líderes", declarou Moura ao fim da reunião.

A decisão dos líderes é baseada no artigo 67 do regimento interno da Câmara, que permite a convocação de uma sessão extraordinária por lideranças partidárias que representem no mínimo 257 parlamentares. Na reunião de quinta-feira, apenas 143 deputados votaram contra o adiantamento da eleição.

Ao anunciar renúncia, Cunha falou em perseguição política e chorou em rede nacional
ANDRÉ DUSEK/ESTADÃO CONTEÚDO - 07.07.2016
Ao anunciar renúncia, Cunha falou em perseguição política e chorou em rede nacional

A nova data – terça-feira (12) – coincide justamente com a reunião da Comissão de Consituição e Justiça (CCJ) que deveria analisar o recurso de Cunha . A manobra deve adiar essa análise, prorrogando a decisão sobre a cassação definitiva do mandato do peemedebista. Se houver adiamento, a CCJ só deve votar o recurso do peemedebista em agosto, depois do recesso Legislativo.

Partidos contrários a Eduardo Cunha – Rede, PSDB, DEM e PSB – se retiraram da reunião das lideranças como forma de protesto. Legendas da oposição – PT, PSOL e PCdoB – não participaram do encontro.

Líderes partidários próximos a Eduardo Cunha negam que o adiantamento da votação tenha sido manobra para salvá-lo. Eles alegam que a renúncia de Cunha fez com que o processo da CCJ se tornasse secundário e que o real objetivo da decisão é colocar fim à falta de comando na Câmara.

* com informações de Estadão Conteúdo

    Leia tudo sobre: Eduardo Cunha
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.