Tamanho do texto

Empresário Walter Torre Júnior é acusado de receber propina de R$ 18 milhões da OAS para desistir de obra para a Petrobras

Empreiteira WTorre foi a responsável pela obra do Allianz Parque, o estádio do Palmeiras
Divulgação
Empreiteira WTorre foi a responsável pela obra do Allianz Parque, o estádio do Palmeiras

O juiz federal Sérgio Moro determinou a condução coercitiva do empresário Walter Torre Júnior, presidente da WTorre. Um dos alvos da Operação Abismo, 31ª fase da Lava Jato, deflagrada nesta segunda-feira (4), a empreiteira teve a sede vasculhada pelos investigadores.

Segundo a força-tarefa da Polícia Federal e da Procuradoria da República, a WTorre teria recebido propina de R$ 18 milhões para abandonar a licitação do Centro de Pesquisas da Petrobras (Cenpes).

Segundo os investigadores, a WTorre Engenharia e Construção S/A (WTorres), que não havia participado de ajustes, resolveu ingressar no certame e apresentou proposta de preço, de R$ 858 milhões, cerca de R$ 40 milhões inferior ao da proposta apresentada pelo Consórcio Novo Cenpes (de R$ 897 milhões).

Léo Pinheiro, da OAS, acertou com Walter Torre e com o executivo Francisco Geraldo Caçador o pagamento de R$ 18 milhões para ele desistir da obra no Cenpes. "As empresas que formavam o Consórcio Novo Cenpes ofereceram então vantagem indevida de R$ 18 milhões para que a WTorre não aceitasse reduzir seu preço junto à Petrobras, enquanto, concomitantemente, o Consórcio renegociaria e reduziria o preço para abaixo da proposta da WTorre", assinalam os investigadores.

"Aceita a propina, a WTorre retirou-se do certame e o Consórcio Novo Cenpes acabou, de fato, negociando com a Petrobras e reduziu sua proposta de preço, para R$ 849 milhões e ficou com o contrato, assinado em 21 de janeiro 2008", destacam os investigadores.

Assinaram o contrato José Carlos Vilar Migo, pela Petrobras, como gerente de implementação para o Cenpes; Agenor Franklin Magalhães Medeiros, pela Construtora OAS e pelo próprio Consórcio Novo Cenpes; Roberto José Teixeira Gonçalves, pela Carioca Engenharia; Genésio Schiavinato Júnior, pela Construbase Engenharia; Álvaro José Monnerat Côrtes, pela Schahin Engenharia; e Celso Verri Villa Boas, pela Construcap CCPS Engenharia.

Os fatos foram relatados pelos executivos da Carioca Engenharia na colaboração premiada e no acordo de leniência da empresa.

Grupo WTorre, presidido por Walter Torre Júnior, nega envolvimento em irregularidades
Murilo Rogerio Constantino
Grupo WTorre, presidido por Walter Torre Júnior, nega envolvimento em irregularidades

Na decisão que determinou a condução coercitiva de Walter Torre, o juiz federal Sérgio Moro assinalou. "Alguma prova de corroboração da fraude na licitação e pagamento de propina a WTorre pode ser encontrada já nas circunstâncias da licitação e da contratação. Em especial, chamam a atenção especificamente atas de duas reuniões havidas na Petrobras, em 14 de setembro de 2007 e em 19 de setembro de 2007, acerca da negociação do contrato para a obra do Cenpes."

Após a licitação, a Petrobras tem por praxe convocar a primeira colocada, no caso a WTorre, para negociar o valor da proposta a fim de obter um preço ainda melhor.

"Nessa linha, foi marcada reunião com a WTorre para 19 de setembro de 2007. Entretanto, mesmo antes, em 14 de setembro de 2007, a OAS, como representante do Consórcio Novo Cenpes, procurou a Petrobras para ofertar renegociação do valor de sua proposta, o que foi inicialmente refutado por contrariar a praxe de negociar primeiro com a vencedora da licitação."

Defesa

O Grupo WTorre esclarece que a empresa não teve participação na obra de expansão do Centro de Pesquisas da Petrobras; que não recebeu ou pagou a agente público ou privado nenhum valor referente a esta ou a qualquer outra obra pública. O Grupo WTorre forneceu a documentação referente ao orçamento desta licitação que ainda se encontrava na empresa e segue à disposição das autoridades.