Dilma teria cobrado de Odebrecht doação para caixa 2 de campanha, diz revista

Tesoureiro da campanha da presidente afastada, Edinho Silva, teria cobrado uma doação por fora no valor de R$ 12 milhões

O ex-presidente da Odebrecht Marcelo Odebrecht teria afirmado, em acordo de delação premiada no âmbito da operação Lava Jato, que a presidente afastada Dilma Rousseff cobrou pessoalmente doação de campanha não informada à Justiça, de acordo com a revista IstoÉ.

Foto: André Dusek/Estadão Conteúdo - 23.5.16
Reportagem traz o que seria um diálogo de encontro pessoal do empresário e da presidente

A edição deste fim de semana da publicação traz que, entre o primeiro e o segundo turno da eleição de 2014, o tesoureiro da campanha de Dilma, Edinho Silva, teria cobrado de Marcelo Odebrecht uma doação por fora no valor de 12 milhões de reais para serem repassados ao marqueteiro João Santana e ao PMDB. 

De acordo com a revista, o executivo se recusou a fazer o repasse, mas diante da insistência de Edinho disse que iria procurar Dilma. 

A reportagem traz o que seria um diálogo de encontro pessoal do empresário e da presidente afastada dias depois, no qual Dilma responde a questionamento do empreiteiro sobre o pagamento. "É para pagar", teria dito Dilma, conforme a IstoÉ, citando o relato de Marcelo Odebrecht, que foi preso há quase um ano, em meio às investigações da Lava Jato.

Link deste artigo: https://ultimosegundo.ig.com.br/politica/2016-06-04/dilma-teria-cobrado-de-odebrecht-doacao-para-caixa-2-de-campanha-segundo-istoe.html