Ministro admite que governo Temer está preocupado com impeachment

Eliseu Padilha, da Casa Civil, confirmou que o Planalto não está certo de que terá os 54 votos necessários para o impeachment
Foto: Ricardo Botelho/Brazil Photo Press/Estadão Conteúdo - 24.5.16
Parlamentar por 'décadas', ministro Eliseu Padilha declarou que há 'muitas variáveis' até decisão


O ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha, reconheceu nesta quinta-feira (2) que há no governo interino a preocupação com a necessidade de garantir os 54 votos para o afastamento definitivo da presidente Dilma Rousseff. Ele admitiu também que o presidente em exercício Michel Temer tem conhecimento de algumas manifestações de senadores indecisos ou que poderiam votar contra o impeachment. O ministro também destacou que, como ainda falta tempo para a votação, serão ouvidas “muitas manifestações”.

Padilha afirmou que o Palácio do Planalto está acompanhando as declarações e que pela sua experiência de “décadas de convivência” no Congresso Nacional há “muitas variáveis” até a decisão final. Segundo ele, em deliberações deste porte, “uma hora antes da votação é quase uma eternidade”. Ele também afirmou que o governo vai ouvir muitas manifestações que, em tese, “não estávamos esperando que acontecessem.”

O chefe da Casa Civil também declarou que, por mais que mudanças de opinião possam ter ocorrido, a Câmara e o Senado têm respeitado até agora o desejo da população brasileira. “O que a nação quer, o Congresso acaba fazendo. E eu não tenho dúvida de que não houve mudança na sociedade brasileira no que diz respeito a esse tópico”, afirmou.

Segundo Eliseu Padilha, para todas as partes envolvidas há o interesse que o processo de impeachment seja resolvido o quanto antes. "Se consultássemos cada cidadão, ele diria que quer, sim, definir logo o processo e que este período de transitoriedade do governo Temer acabe". De acordo com ele, o Planalto está, sim, interessado "que esse processo seja resolvido o mais breve possível.”

Foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado - 2.6.16
Durante defesa em comissão, advogado José Eduardo Cardozo tentou impedir redução de prazo


Sobre as declarações dadas na quarta-feira (1º) pelo deputado Paulinho da Força (SD-SP) de que Temer poderia fazer uma reforma ministerial caso seja confirmado o afastamento de Dilma, o ministro observou que as falas feitas pelo presidente em exercício para o parlamentar estavam dentro de um contexto e reforçou que Temer tratou especificamente do Ministério do Desenvolvimento Agrário – extinto na posse interina dele –, algo que ele “pode rever, o que não significa dizer que vai.”

Afago à base
Assim como o presidente interino fez mais cedo, Eliseu Padilha voltou a declarar que a base de sustentação do governo está correspondendo “plenamente” às expectativas, dando celeridade aos projetos importantes. Segundo o ministro, existe a convicção de que há “base política para fazer as mudanças que temos que fazer.”

Também presente na coletiva, o titular temporário do Planejamento, Dyogo Oliveira, também destacou o apoio do Congresso para a aprovação de matérias econômicas importantes. “Temos boas perspectivas para aprovação de novas medidas que serão enviadas”, disse.

Veja quem são os ministros do governo interino de Michel Temer:


Link deste artigo: https://ultimosegundo.ig.com.br/politica/2016-06-02/ministro-admite-que-governo-temer-esta-preocupado-com-impeachment.html