Em SP, houve bate-boca e ao menos dois foram detidos; Rio teve duas confusões e PM usou bombas durante ato em Brasília

Manifestantes pró-impeachment protestam em frente ao prédio da Fiesp na Avenida Paulista
Paulo Ermantino/Agência O Dia/Estadão Conteúdo - 11.5.16
Manifestantes pró-impeachment protestam em frente ao prédio da Fiesp na Avenida Paulista

Enquanto os senadores discutem o pedido de afastamento da presidente Dilma Rousseff em sessão iniciada ainda na manhã desta quarta-feira (11), movimentos que apoiam o impeachment e defensores do mandato da petista realizaram manifestações em diversas cidades do País ao longo do dia. Em alguns casos, o encontro de grupos de frentes opostas teve bate-boca e confusão.

Em São Paulo, manifestantes que apoiam a permanência de Dilma na Presidência da República foram para a Avenida Paulista após convocação do Partido dos Trabalhadores pelas redes sociais. A via, no entanto, tem servido de abrigo para um grupo favorável ao impeachment, que está acampado em frente ao prédio da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) há cerca de dois meses.

A Polícia Militar precisou montar um cordão de isolamento para evitar o confronto entre os dois grupos. Ainda assim, houve algumas discussões durante a noite, conforme mostra vídeo registrado pelo cinegrafista Daniel Santarcangelo (assista abaixo).

De acordo com a PM, ao menos duas pessoas foram detidas por desacato e conduzidas para prestar depoimento no 78º Distrito Policial (Jardins).

Bate-boca com o Batman no Rio

Militantes da Frente Brasil Popular, que apoia Dilma, discutem com homem vestido de Batman
Fábio Motta/Estadão Conteúdo - 11.5.16
Militantes da Frente Brasil Popular, que apoia Dilma, discutem com homem vestido de Batman


Militantes contra e a favor do impeachment se confrontaram na noite desta quarta-feira na Cinelândia, no centro do Rio. A troca de agressões ocorreu quando uma mulher favorável ao impedimento da presidente Dilma Rousseff passou entre os manifestantes que apoiam o PT, foi agredida e reagiu. A Polícia Militar (PM) precisou intervir. Ninguém foi preso.

"Eu cheguei para o protesto e não vi ninguém. Fiquei esperando enquanto ouvia as pessoas ao microfone falando que tinham expulsado os golpistas da Cinelândia. Então eu fui lá dizer que sou a favor do impeachment e tive o cabelo puxado e minha bandeira do Brasil roubada", disse Flávia Tavares, do Movimento Resistência Rio de Janeiro, que defende o afastamento da presidente.

No fim da tarde, militantes da Frente Brasil Popular, que apoia a presidente Dilma Rousseff, e membros do Movimento Direita Já, favorável ao impeachment, tinham entrado em conflito na Cinelândia. Houve troca de empurrões, chutes, cusparadas e garrafas de água atiradas dos dois lados. Manifestantes pró-Dilma bateram boca com um homem fantasiado de Batman, que ostentava um cartaz com os dizeres "Tchau, querida". Após o confronto, o Direita Já deixou o espaço.

Gás de pimenta em Brasília

Manifestantes a favor da presidente Dilma acompanham sessão na Esplanada dos Ministérios
Mateus Bonomi/Raw Image/Estadão Conteúdo - 11.5.16
Manifestantes a favor da presidente Dilma acompanham sessão na Esplanada dos Ministérios


A Polícia Militar do Distrito Federal utilizou gás de pimenta e bombas de efeito moral para conter um grupo de manifestantes que protestava contra o impeachment da presidente Dilma Rousseff.

A confusão aconteceu por volta das 19h, quando os manifestantes tentaram derrubar a divisória instalada pelo governo no meio da Esplanada dos Ministérios para separar os grupos favoráveis e contrários ao afastamento de Dilma.

Eles dispararam rojões, atiraram pedras contra os policiais e ameaçaram invadir o Congresso Nacional. Pelo menos um deles teve que ser removido de maca e alguns relataram casos de agressão por parte dos policiais.

*Com informações do Estadão Conteúdo e vídeo de Daniel Santarcangelo Dondoni Rocha

    Leia tudo sobre: Impeachment
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.