Pedido da AGU apresentado ao Supremo alega que Cunha aceitou a denúncia contra Dilma em "desvio de finalidade"

Agência Brasil

AGU pede que sejam anulados todas as ações de Cunha desde a denúncia feita ao STF em março
Nelson Jr./SCO/STF - 23.02.16
AGU pede que sejam anulados todas as ações de Cunha desde a denúncia feita ao STF em março

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Teori Zavascki será o relator do mandado de segurança, impetrado hoje (10) pela Advocacia-Geral da União no Supremo Tribunal Federal (STF), para que seja suspensa a autorização concedida pela Câmara dos Deputados para abertura de processo de impeachment por crime de responsabilidade contra a presidenta Dilma Rousseff. A escolha foi feita por sorteio.

Na tarde desta terça-feira (10), o advogado-geral da União ingressou com o mandado de segurança sob o argumento de que o então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), aceitou a denúncia contra Dilma em “desvio de finalidade”. Na terça-feira passada (3), o STF afastou Cunha do mandato de deputado federal e da Presidência da Câmara.

No documento protocolado no STF, Cardozo argumenta ainda que o afastamento do presidente da Câmara por decisão da unânime da Corte do país demonstra que os atos praticados por Cunha durante a tramitação do processo de impeachment foram “eivados de nulidade insanável”.

A AGU pede que sejam anulados todos os atos praticados por Cunha desde o recebimento da denúncia contra ele pelo STF, em março deste ano, até a autorização final do plenário da Câmara dos Deputados para abertura do processo de impeachment.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.