Muro para separar os manifestantes favoráveis e contra Dilma usado no dia da votação na Câmara foi reerguido nesta semana

Estadão Conteúdo

Muro para separar manifestantes pró e contra Dilma será novamente usado nesta quarta-feira (11)
Agência Estado
Muro para separar manifestantes pró e contra Dilma será novamente usado nesta quarta-feira (11)

A Secretaria da Segurança Pública e da Paz Social do Distrito Federal informou nesta terça-feira (10) que o plano operacional adotado na votação do pedido de impeachment da presidente Dilma Rousseff na Câmara dos Deputados será repetido nesta quarta-feira (11) quando o plenário do Senado Federal votará pela continuidade ou não do processo.

Assim como no dia 17 de abril, o muro separando os manifestantes favoráveis e os não favoráveis à Dilma será mantido. O corredor de separação tem 80 metros de largura por 1 quilômetro de comprimento e ficará montado desde a altura da Catedral até o Congresso Nacional. Ao longo de toda extensão, haverá policiais militares, bombeiros, agentes de trânsito e de saúde. O grupo pró-impeachment ficará do lado direito do Congresso e os manifestantes a favor de Dilma, do lado esquerdo.

De acordo com o esquema do Governo do Distrito Federal, a área da Praça dos Três Poderes, que inclui Congresso Nacional, Supremo Tribunal Federal, Palácio do Planalto, junto com o Itamaraty e o Ministério da Justiça, será considerada zona de segurança nacional e, com isso, ficará restrita ao trânsito das forças de segurança.

A Secretaria da Segurança Pública do DF também avisou que as Vias N1 e S1 estarão interditadas a partir da zero hora desta quarta-feira e que os servidores que trabalham na Esplanada dos Ministérios e os manifestantes devem acessar as Vias N2 e S2.

Veja como foi a votação do parecer na comissão do impeachment no Senado:


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.