Tamanho do texto

Procurador que lidera investigação de esquema de propina na Petrobras rebate ataques de parlamentares governistas que veem possibilidade de operação ser abafada caso Dilma caia

Estadão Conteúdo

Deltan Dallagnol está à frente da Lava Jato e lidera a campanha
Agência Brasil
Deltan Dallagnol está à frente da Lava Jato e lidera a campanha "10 medidas contra a corrupção"



Coordenador da força-tarefa da Lava Jato, o procurador da República Deltan Dallagnol rebateu críticas de parlamentares governistas e afirmou que a aprovação do impeachment na Câmara não causará interferência nas investigações do esquema de corrupção instalado dentro da Petrobras. A declaração foi feita em sua página no Twitter como repercussão da votação que impôs o encaminhamento do processo contra Dilma no Senado Federal, aprovado no domingo (17).

"É uma investigação técnica, imparcial e apartidária. É importante ter em mente que, qualquer que seja a decisão, a Lava Jato continuará tendo muitos inimigos, número que cresce a cada dia que os investigados aumenta. [A operação] Continuará a ser atacada, de modo ostensivo ou sorrateiro, e nossa única proteção é a sociedade", escreveu em sua página.

Além de integrar a força-tarefa da Lava Jato, Dallagnol é um dos procuradores que encabeça a campanha "10 Medidas Contra a Corrupção", responsável por tentar aprovar um conjunto de propostas legislativas para coibir delitos que envolvam desvio de verbas públicas e atos de improbidade administrativa.

A campanha reúne vinte anteprojetos de lei que visam a regulamentar as dez medidas propostas, entre elas a criminalização do enriquecimento ilícito de agentes públicos e do caixa dois, o aumento das penas, a transformação da corrupção de altos valores em crime hediondo e a responsabilização dos partidos políticos por desvios.

Veja 12 políticos que estão na mira da Operação Lava Jato: 








    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.