Júlio Lopes questionou fato de Ricardo Lodia Ribeiro ter tido seu nome erroneamente divulgado como professor-titular da Uerj e por ser de escritório em que ministro Barroso atuou

Júlio Lopes: ex-secretário dos Transportes no Rio, ele é réu por acidente de bonde em Santa Teresa
Fotos Públicas
Júlio Lopes: ex-secretário dos Transportes no Rio, ele é réu por acidente de bonde em Santa Teresa

O deputado Júlio Lopes (PP-RJ) fez o possível para constranger o professor de Direito Tributário Ricardo Lodia Ribeiro, convidado por aliados de Dilma Rousseff para fazer contra-ponto ao que afirmaram os autores do pedido de impeachment na véspera, nesta quinta-feira (31), na comissão que tenta derrubar a presidente do governo federal. 

Logo após a fala de 30 minutos do ministro da Fazenda, Nelson Barbosa, o outro nome destacado pelo governo para falar em sua defesa em audiência pública, o parlamentar pediu a palavra para questionar Lodia Ribeiro a respeito de seu cargo acadêmico e do escritório onde trabalha – Barroso Fontelles, Barcellos, Mendonça & Associados, no Rio de Janeiro. 

Segundo o deputado, que protagonizou bate-boca com aliados de Dilma após fazer os questionamentos, Ribeiro tem tido seu cargo divulgado como de professor-titular da Uerj – ele é adjunto – e deveria causar constrangimento a ele trabalhar no mesmo escritório em que o ministro Luís Roberto Barroso trabalhou.

"Eu sou do mundo acadêmico e pergunto com todo respeito", disse, aos gritos, o deputado, gerando tumulto antes do início das declarações do defensor de Dilma. "Estamos fazendo nosso trabalho. Quero arguir se não há constrangimento ético de parte dele!"

No final do ano passado, Lopes teve seus bens bloqueados após ter sido condenado pela Justiça fluminense a indenizar vítimas do acidente do bonde da Santa Teresa, que deixou seis mortos e 57 feridos em 2011, época em que era secretário estadual dos Transportes. 

"De fato, sou professor-adjunto de Direito financeiro da Uerj. E quero esclarecer que estou aqui e só vim como professor [...] Compartilho reflexões acadêmicos a respeito dos temas aqui abordados. Não estou aqui como advogado, não estou aqui para exercer a defesa de Dilma Rousseff, que compete à Advocacia-Geral da União", disse Ribeiro, sob protestos de parlamentares favoráveis ao impeachment. 

"Estou aqui para compartilhar visões com vossas excelências. Agradeço o convite, que muito me honra. Não estou como advogado ou integrante de qualquer escritório. Tenho orgulho de fazer parte do escritório que teve Barroso como advogado [...] Mas não está aqui em questão o escritório."

Veja os deputados que fazem parte da comissão do impeachment:


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.