'Cunha quer destruir opositores, um a um', diz presidente do Conselho de Ética

Por BBC |

compartilhe

Tamanho do texto

Nova manobra do presidente da Câmara poderá reverter a situação de Cunha junto ao conselho, que julga ação contra ele

BBC

Para Araújo, projeto de Cunha 'fere de morte' o Conselho de Ética, que pode cassá-lo
Antonio Augusto / Câmara dos Deputados - 9.10.2013
Para Araújo, projeto de Cunha 'fere de morte' o Conselho de Ética, que pode cassá-lo

"Eduardo Cunha quer destruir, um a um, os opositores que debatem sua cassação democraticamente na Câmara", diz o deputado José Carlos Araújo (PR-BA), presidente do Conselho de Ética da Casa.

Em entrevista exclusiva à BBC Brasil, Araújo afirmou que o projeto apresentado nesta terça-feira (29) por Cunha, que altera a composição de todos os conselhos e na prática aumenta seu número de aliados no Conselho de Ética, "fere de morte o Conselho que pode cassá-lo por corrupção."

Se a proposta for aprovada, três parlamentares que votaram contra Cunha no Conselho – o próprio deputado Araújo, além do relator do caso, Marcos Rogério, e o ex-relator, Fausto Pinato – poderão ser afastados para dar lugar a deputados simpáticos a Cunha.

"Não é a minha presidência que está em jogo", diz Araújo. "É a democracia e o funcionamento das instituições."

O presidente da Câmara argumenta que a mudança é necessária porque muitos deputados migraram de partido desde as eleições, o que alterou o tamanho das bancadas partidárias na Casa.

"O membro da mesa que mudou de partido vai perder o cargo. O membro de comissão de impeachment que mudar de partido vai perder o cargo", disse Cunha.

O presidente da Câmara afirmou ainda que as alterações não devem atingir o Conselho de Ética. "Entendo que não (se aplicam). Não tratamos de Conselho de Ética. Até deveria ser isso: quem mudou de partido não poderia ocupar a vaga de outro partido. Mas não tratamos disso", disse.

Manobra
O resultado da manobra pode ser uma inversão no andamento das discussões sobre o futuro de Cunha no Congresso. Dos 21 deputados da Comissão de Ética, atualmente, 11 votaram pela contiuidade e 10 pelo arquivamento das investigações.

O projeto de alteração do regimento da Câmara foi apresentado nesta terça-feira (29), por solicitação de Cunha, em regime de urgência. Com o rearranjo, em vez de cassado, Cunha pode sofrer uma advertência escrita ou levar uma suspensão.

Para o presidente do Conselho, a alteração das regras não poderia acontecer enquanto o processo está em andamento.

"Não dá para o presidente da Câmara mudar as regras de algo que o afeta diretamente", diz Araújo.

O Conselho de Ética investiga Eduardo Cunha por ocultação de contas bancárias na Suíça e por supostamente ter mentido, em depoimento à CPI da Petrobras, sobre a existência de dinheiro em seu nome no exterior.

'Ator político'
Enquanto o andamento das investigações na Câmara é lento, o Supremo Tribunal Federal aceitou no início de março as denúncias do Ministério Público Federal contra o presidente da Câmara, tornando Cunha réu no processo.

Na decisão da Suprema Corte, o ministro Celso de Mello argumentou que Cunha sairia da posição de "ator político" para "possível autor de crimes".

Cunha afirma que apenas usufrui dos ativos no exterior, mas nega ser dono das contas. Portanto, segundo sua argumentação, não teria mentido quando afirmou não ser dono de contas na Suíça.

A jornalistas, ele voltou a dizer que não irá renunciar ao cargo. "Saio daqui em 1º de fevereiro de 2017."

"Nunca nenhum deputado desta Casa imaginou que fosse necessário criar regras para proteger o Conselho de Ética contra o próprio presidente da Câmara", disse Araújo à BBC Brasil.

"Ele está conseguindo derrubar a presidente. Não duvido que depois queira derrubar o próprio Temer, seu colega de partido. Cunha só vai sossegar quando se tornar presidente do Brasil".

Eduardo Cunha em 20 imagens:

Cunha pareceu respirar aliviado depois da leitura do pedido de impeachment protocolado na Casa contra a presidente Dilma . Foto: Marcelo Camargo/ Agência Brasil - 3.12.15Eduardo Cunha comemora com seus apoiadores sua eleição à presidência da Câmara dos Deputados -  1º de fevereiro. Foto: Câmara dos DeputadosEm março, logo no início do mandato como presidente da Câmara, Cunha preside sessão de votações com ar confiante. Foto:  Fabio Rodrigues Pozzebom/ Agência Brasil - 19.3.15Em outubro, já rompido com o governo, Cunha tenta manter o controle na Câmara. Foto: Valter Campanato/Agência Brasil - 21.10.1512 de março de 2015: Cunha fala na sessão da CPI da Petrobras que não tem conta no exterior. Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil -12.3.15Cunha fala com a imprensa sobre CPI da Petrobras; depoimento dado aos parlamentares desencadeou o inferno astral do parlamentar. Foto: Antônio Cruz/ Agência Brasil - 3.3.15Com olhar desconfiado, Cunha sai de casa após operação de busca e apreensão em sua residência oficial, em Brasília. Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil - 10.12.15Em novembro, Cunha é hostilizado e recebe uma chuva de dólares falsos com a sua face estampada. Foto: Lula Marques/Agência PT - 4.11.15O presidente da Câmara reforça as críticas ao governo a medida que é pressionado pelas investigações da Lava Jato. Foto: José Cruz/Agência Brasil - 19.11.15Nas brigas, o tom de Cunha foi pesando a medida que o parlamentar sentiu-se acuado. Foto: Lula Marques/ Agência PTO presidente da Câmara bancou as pautas mais conservadoras na Casa. Foto: Lula Marques/ Agência PT - 10.11.15Apesar do cargo, Cunha não se importou em manter as aparências nem cultivou uma relação cordial com jornalistas e parlamentares. Foto: Lula Marques/Agência PTA situação de Cunha ficou ainda mais complicada depois de a PGR pedir que ele seja afastado da presidência da Câmara e do mandato parlamentra. Foto: Lula Marques/Agência PT - 5.11.15Com o apoio do baixo clero e de parte do PMDB, Cunha tenta se manter no poder. Foto: Lula Marques - 5.11.15O deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) na sessão em que leu o pedido de impeachment da Dilma: segundo a presidente, o parlamentar fez um achaque ao Planalto. Foto: Agência BrasilO presidente da Câmara protelou a votação dos itens relacionados ao ajuste fiscal e dificultou a vida do governo. Foto: Lula Marques/Agência PTCunha vem defendendo insistentemente o rompimento do PMDB com o governo. Foto: Antônio Cruz/Agência Brasil - 15.12.15Sessões longas, que entraram pela madrugada, marcaram a gestão de Cunha como presidente da Câmara. Foto: Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/ Agência BrasilComo defesa, Cunha diz ser vítima de ataques do Planalto e da PGR. Foto: Wilson Dias/Agência BrasilSem sucesso, Cunha tentou costurar com os líderes dos partidos na Câmara uma forma de abordar o Supremo no caso do impeachment da presidente Dilma. Foto:  Marcelo Camargo/Agência Brasil - 21.12.15


compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas