Cunha diz que PMDB adotará postura independente se desembarcar do governo

Por Reuters | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Partido reúne seu diretório nacional nesta terça-feira e deve decidir pelo desembarque do governo da presidente Dilma

Reuters

Para o presidente da Câmara, ficará ruim para ministro do PMDB que permanecer no cargo
Agência Brasil
Para o presidente da Câmara, ficará ruim para ministro do PMDB que permanecer no cargo

O presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), disse nesta segunda-feira (28) que se o PMDB confirmar o desembarque do governo da presidente Dilma Rousseff nesta terça-feira (29), não necessariamente adotará postura de oposição. "A partir daí (do rompimento), eu não diria que o PMDB será oposição. O PMDB será independente", disse.

Segundo ele, se algum ministro filiado ao partido permanecer no cargo mesmo após uma eventual decisão ratificando o rompimento, "ficaria ruim para eles". "Vai parecer que eles estão apegados aos cargos e que estes são mais importantes do que o interesse partidário", disparou.

O PMDB reúne seu diretório nacional na tarde desta terça-feira e deve decidir pelo desembarque do governo da presidente Dilma, que enfrenta um pedido de abertura de processo de impeachment na Câmara.

Nesta segunda-feira, uma fonte próxima ao vice-presidente Michel Temer, que preside o PMDB, disse que em conversa com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Temer afirmou que o rompimento é "irreversível".

Também nesta segunda, Henrique Eduardo Alves, ex-presidente da Câmara e integrante da ala peemedebista próxima a Temer, pediu demissão do comando do Ministério do Turismo, tornando-se o primeiro ministro do partido a deixar o governo Dilma pouco antes da formalização do rompimento da legenda com o Palácio do Planalto.

Veja quem do PMDB já saiu do ministério e quem ainda permanece:

Henrique Eduardo Alves ocupou durante 11 meses o cargo de ministro do Turismo. Ele anunciou sua demissão no dia 28 de março. Foto: Tomaz Silva/Agência Brasil - 16.03.16Kátia Abreu comanda o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento desde janeiro de 2015, quando teve início o segundo mandato de Dilma. A ministra defende que o PMDB não deve sair do governo e é alinhada com Dilma. Foto: Valter Campanato/Agência BrasilMauro Lopes tomou posse do Ministério da Aviação Civil no dia 17 de março. Na ocasião, ele foi ameaçado de expulsão do PMDB por contrariar decisão do partido de não assumir cargos no governo. Foto: José Cruz/Agência Brasil - 17.03.16Helder Barbalho assumiu em 6 de novembro o Ministério dos Portos. Antes, ele estava no comando do Ministério da Pesca. Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil - 24.02.16 Marcelo Castro é ministro da Saúde desde 5 de outubro de 2015. Castro é um dos que argumentam que ainda não é hora do PMDB sair do governo. Foto: CHARLES SHOLL/FUTURA PRESSEduardo Braga, ministro de Minas e Energia, assumiu o cargo em 2015, quando teve início o segundo mandato da presidente Dilma. Foto: Agência BrasilCelso Pansera é o ministro da Ciência, Tecnologia e Inovação desde outubro de 2015. Ele é um dos defensores da permanência do PMDB no governo. Foto: Elza Fiuza/Agência Brasil


Leia tudo sobre: políticaPDMBeduardo cunha

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas