Movimentos sociais fazem ato na zona oeste de SP; em Brasília, dois são presos

Por Estadão Conteúdo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Manifestação pela democracia reúne cerca de 17 mil pessoas na capital paulista; polícia usou spray de pimenta contra manifestantes em ato na capital federal, nesta quinta-feira (24)

Estadão Conteúdo

Ato pela democracia em SP teve trajeto entre o Largo da Batata e a sede da TV Globo
Juca Rodrigues/Framephoto/Estadão Conteúdo - 24.3.16
Ato pela democracia em SP teve trajeto entre o Largo da Batata e a sede da TV Globo

Aproximadamente 17 mil pessoas participaram da manifestação da Frente Povo Sem Medo na noite desta quinta-feira (24), em São Paulo. O ato reúne integrantes do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) e de outros movimentos sociais. Em discurso, o coordenador do MTST, Guilherme Boulos, afirmou que o movimento não está na rua para defender um governo, mas conquistas sociais e a própria democracia. A expectativa é que 30 mil pessoas participem do protesto, segundo Boulos, um dos organizadores.

"Eles acharam que iriam desfilar com o golpe pela avenida", disse Boulos. "Nós não queremos incendiar o País, mas também não temos sangue de barata", completou. Pessoas de outros movimentos sociais se revezam no microfone do carro de som, principalmente com críticas à reforma da Previdência e ao ajuste fiscal. Alguns manifestantes puxam o grito de "Não vai ter golpe".

A cartunista Laerte Coutinho estava no meio dos manifestantes. "A importância desse movimento é que as pessoas entendam que elas não estão sozinhas. Às vezes, nas redes sociais, quem pensa diferente pode achar que está sozinho. Não, agora, com essa manifestação quem está contra o golpe vai poder encontrar os seus iguais", disse a cartunista.

Desde as 18h, a Avenida Faria Lima está fechada no sentido centro. A marcha saiu por volta das 18h50. O shopping Iguatemi foi fechado enquanto a manifestação passava. Estavam presentes na manifestação o deputado federal Ivan Valente (PSOL-SP) e o presidente do PT, Rui Falcão.

Protesto em frente à sede da TV Globo em Brasília teve duas pessoas detidas
André Dusek/ Estadão Conteúdo - 24.3.16
Protesto em frente à sede da TV Globo em Brasília teve duas pessoas detidas

Brasília

Uma manifestação contra o impeachment da presidente Dilma Rousseff terminou com dois homens detidos pela Polícia Militar na noite desta quinta-feira, em frente à sede da TV Globo em Brasília. Participaram do protesto representantes da Central Única dos Trabalhadores (CUT), Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MTST) e União Nacional dos Estudantes (UNE).

De acordo com o coronel da PM Alexandre Sérgio, responsável pela operação de policiamento da manifestação, o primeiro homem foi detido com base no artigo 213 do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA). Segundo o policial, o rapaz foi detido por ter colocado seu filho, de 7 anos, em situação "vulnerável" durante a manifestação.

"O pai colocou a criança em risco ao deixá-la próxima ao cordão de isolamento dos policiais, que estão com armamento químico não letal", explicou o coronel. Já o segundo homem foi preso, segundo o comandante, por ter incitado os manifestantes com um megafone a partirem para cima dos policiais, quando a polícia tentou retirar a criança da manifestação. Os dois homens e a criança foram levados para a 5ª Delegacia de Polícia.

Os manifestantes acusam os policiais de reagirem com brutalidade e desnecessariamente no caso da criança. No momento do tumulto, policiais, que estavam tanto do lado de dentro do portão da sede da TV Globo quanto do lado de fora, jogaram spray de pimenta para afastar os manifestantes. Além da PM, a emissora também colocou seguranças particulares na porta da empresa.

Após o incidente, os manifestantes decidiram encerrar o protesto que começou no fim da tarde, em frente a um shopping na Asa Sul de Brasília. De acordo com a PM, cerca de 70 pessoas participaram do ato. Já os manifestantes contabilizam aproximadamente 100 participantes. Além do protesto contra o impeachment, eles também gritavam palavras de ordem contra a TV Globo.

Leia tudo sobre: MTSTProtestoDemocraciaTV GloboSão PauloBrasíliaFrente Povo Sem Medo

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas