Cardozo diz esperar que plenário do STF reveja decisão de Mendes sobre Lula

Por Estadão Conteúdo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Ministro-chefe da AGU afirma que prova para suspender posse – o áudio entre Dilma e Lula – "não leva a nenhuma conclusão, uma vez que não se submeteu a qualquer investigação"

Estadão Conteúdo

José Eduardo Cardozo pede que os processos que estão sob a relatoria de Mendes sejam extintos
Valter Campanato/Agência Brasil - 03.03.16
José Eduardo Cardozo pede que os processos que estão sob a relatoria de Mendes sejam extintos

O advogado-geral da União, José Eduardo Cardozo, disse esperar que o plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) reveja a decisão liminar (provisória) do ministro Gilmar Mendes, que suspendeu a posse do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva na chefia da Casa Civil.

"Em relação à decisão do ministro Gilmar Mendes, interpusemos um agravo regimental para que o plenário da Suprema Corte reveja a decisão, como nos parece que deve ser revista", afirmou Cardozo em vídeo divulgado pela assessoria da AGU.

O advogado apontou ainda que a "prova invocada" por Mendes para suspender a posse, que é o áudio obtido por investigadores na qual a presidente Dilma Rousseff conversa com Lula, é "viciada" e "não leva a nenhuma conclusão, uma vez que não se submeteu a qualquer tipo de investigação ou contraditório". Segundo Cardozo, a liminar deve ser revista porque não houve desvio de poder na nomeação de Lula para a Casa Civil.

Na noite de quarta-feira (23), a Advocacia-Geral da União (AGU) enviou manifestações ao STF pedindo para que Mendes volte atrás na decisão que suspendeu a nomeação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva como ministro-chefe Casa Civil. O ministro-chefe da AGU pede também que os processos que estão sob a relatoria de Mendes sejam extintos.

De acordo com Cardozo, os partidos políticos não têm legitimidade para impetrar mandados de segurança questionando o decreto de nomeação da presidente. O caso ainda será levado ao plenário, onde os ministros do tribunal deverão tomar uma decisão definitiva de maneira colegiada.

Leia tudo sobre: políticajosé eduardo cardozoSTFlulagilmar mendes

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas