Senadores citados em lista da Odebrecht negam ter recebido doações ilegais

Renan Calheiros, Humberto Costa, Gleisi Hoffmann e Romero Jucá são alguns políticos que fazem parte da lista divulgada
Foto: Antonio Cruz/ Agência Brasil - 16.03.16
Renan Calheiros disse desconhecer o motivo pelo qual foi lhe atribuído o apelido de 'Atleta'

O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), e outros senadores negaram nesta quarta-feira (23) ter recebido doações ilegais da construtora Odebrecht. Renan foi um dos citados em uma lista apreendida pela Polícia Federal como recebedor de R$ 1 milhão. O senador disse também desconhecer o motivo pelo qual foi lhe atribuído o apelido de "Atleta".

"Não vi. Olha, mais uma vez, nunca cometi impropriedade. Essas citações, do ponto de vista da prova, não significa nada, absolutamente nada. Sempre me coloquei à disposição, sempre tomei iniciativa para pedir qualquer investigação que cobram. Acho que a diferença é exatamente essa, é você ter as respostas" disse o peemedebista.

O senador Romero Jucá (PMDB-RJ) também rechaçou, por meio da assessoria de imprensa, ter recebido cerca de R$ 150 mil, segundo consta de anotação à mão de planilha. O documento apreendido cita Jucá com o apelido de "cacique". "A assessoria de imprensa do senador Romero Jucá informa que o TSE aprovou, sem ressalvas, todas as doações de campanhas do parlamentar", afirmou.

Foto: Jefferson Rudy/ Agência Senado - 07.03.16
O nome de Gleisi Hoffman aparece na lista da PF constando o valor de R$ 1,5 milhão em repasses

O líder do governo no Senado, Humberto Costa (PT-PE), declarou, por meio da assessoria de imprensa, que a citação na planilha parece fazer menção às eleições municipais de 2012, quando o parlamentar disputou a prefeitura de Recife (PE). O documento menciona um repasse de R$ 300 mil ao petista, apelidado de "Drácula".

"Como consta da prestação de contas aprovada pela Justiça Eleitoral, não houve qualquer doação da Odebrecht à campanha de Humberto daquele ano. O que pode ter ocorrido – se efetivamente houve a doação – é que ela tenha sido feita diretamente ao PT Nacional, que repassou cerca de R$ 1,7 milhão para contribuir com a campanha do senador em 2012, conforme registrado na mesma prestação de contas", informou o senador, via assessoria.

A senadora e ex-ministra da Casa Civil Gleisi Hoffmann (PT-PR) também rechaçou qualquer repasse irregular. O nome da senadora aparece acompanhado do seu marido, o ex-ministro das Comunicações Paulo Bernardo, constando o valor de R$ 1,5 milhão em repasses. "Esses recursos devem ser referentes a doações para as campanhas eleitorais municipais de 2012, que foram repassados pelo Diretório Nacional do PT ao Diretório Estadual e aos Diretórios Municipais. O Grupo Odebrecht fez doações via Diretório Nacional", afirmou Gleisi, via nota.

A senadora Vanessa Grazziottin (PCdoB-AM), apelidada como "Ela", mencionada em duas páginas da lista com valores atribuídos que somariam R$ 5 milhões, disse em nota que todos os recursos que recebeu nas campanhas eleitorais que participou "foram legais, registrados e todas as prestações de contas foram aprovadas pela Justiça Eleitoral". "Estranhei o aparecimento de meu nome numa lista que não sei como surgiu" rechaçou.

Em comunicado, a senadora Ana Amélia (PP-RS) disse que as doações que recebeu da Odebrecht se referem à Braskem, subsidiária do grupo empresarial e com "atuação conhecida" no Rio Grande do Sul. Ana diz ter recebido a doação por meio do Diretório Nacional do partido, o qual repassou para a conta da campanha dela ao Senado em 2010. Os valores de doações, segundo ela, giraram em torno de R$ 400 mil. "As doações estão devidamente registradas no Tribunal Regional Eleitoral com a prestação de contas aprovada, sem nenhuma ressalva, e constam no portal da transparência do Tribunal Superior Eleitoral", disse a senadora, em nota, ao reafirmar o apoio dela às investigações da Operação Lava Jato.

O senador Lindbergh Farias, chamado na planilha de "Lindinho" e atribuído a ele o valor de R$ 500 mil, não se pronunciou até o momento, conforme a assessoria de imprensa. Os demais senadores contatados pela reportagem do Broadcast Político que aparecem na planilha ainda não responderam: José Serra (PSDB-SP), Ciro Nogueira (PP-PI), Fernando Bezerra (PSB-PE), Jader Barbalho (PMDB-PA).

Foto: Facebook/Reprodução
Assessoria de Russomano declarou que todas as doações recebidas pelo deputado foram legais

Ratinho Júnior, Russomanno e Geraldo Júlio

Também citados na planilha da Odebrecht, o atual secretário estadual de Desenvolvimento Urbano do Paraná, Ratinho Júnior (PSD), e o deputado federal Celso Russomanno (PRB-SP) disseram que todas as doações recebidas em campanhas eleitorais foram declaradas e aprovadas pela Justiça Eleitoral.

Ratinho, que foi candidato à Prefeitura de Curitiba, usou sua página no Facebook para se manifestar. "Quero ressaltar que estou de acordo e apoio, incondicionalmente, as investigações da Polícia Federal, Ministério Público Federal e da Justiça. Além disso, sou a favor que sejam julgados e punidos todos os partidos e candidatos que, eventualmente, tenham recebido doações ilegais", escreveu.

Russomanno está em viagem oficial no Japão. A assessoria de imprensa do parlamentar, que pretende se lançar novamente candidato à Prefeitura de São Paulo, declarou que todas as doações recebidas por Russomanno foram legais e declaradas à Justiça Eleitoral.

Em nota, o prefeito do Recife, Geraldo Júlio, do PSB, afirmou que todas as doações recebidas em sua campanha eleitoral de 2012 obedeceram "rigorosamente" à legislação eleitoral. "A prestação de contas da campanha foi apresentada à Justiça Eleitoral e aprovada pelo Tribunal Regional Eleitoral (de Pernambuco)", diz.

Link deste artigo: https://ultimosegundo.ig.com.br/politica/2016-03-23/senadores-citados-em-lista-da-odebrecht-negam-ter-recebido-doacoes-ilegais.html