Juiz Moro impõe sigilo a suposta planilha de propinas da Odebrecht

Documento que cita deputados, senadores, prefeitos e partidos foi apreendido em fevereiro, na Operação Acarajé
Foto: Marcos Bezerra/Futura Press
Planilha foi apreendida na casa do presidente da Odebrecht Infraestrutura

O juiz federal Sérgio Moro decretou nesta quarta-feira (23) sigilo sobre a planilha da Odebrecht que cita dezenas de políticos e partidos como supostos destinatários de valores da empreiteira. O magistrado pediu ao Ministério Público Federal que se manifeste sobre ‘eventual remessa’ da documentação ao Supremo Tribunal Federal (STF).

A 'superplanilha' foi apreendida em fevereiro na Operação Acarajé, desdobramento da Lava Jato, na residência do empresário Benedicto Barbosa da Silva Júnior, presidente da Odebrecht Infraestrutura.

O documento aponta uma longa sucessão de transferências para deputados, senadores, prefeitos, governadores e agremiações políticas.

Inicialmente, a Acarajé estava sob sigilo. Depois que a operação foi deflagrada, em fevereiro, o magistrado afastou o sigilo dos autos, como tem feito desde o início da Lava Jato.

Nesta quarta-feira (23), ao constatar que a lista contém ‘registros de pagamentos a agentes políticos’, Moro restabeleceu o sigilo nos autos.

"Prematura conclusão quanto à natureza desses pagamentos. Não se trata de apreensão no Setor de Operações Estruturadas da Odebrecht e o referido Grupo Odebrecht realizou, notoriamente, diversas doações eleitorais registradas nos últimos anos", argumentou o juiz.

"De todo modo, considerando o ocorrido, restabeleço sigilo neste feito e determino a intimação do Ministério Público Federal para se manifestar, com urgência, quanto à eventual remessa ao Egrégio Supremo Triunal Federal para continuidade da apuração em relação às autoridades com foro privilegiado."

Link deste artigo: http://ultimosegundo.ig.com.br/politica/2016-03-23/juiz-moro-impoe-sigilo-a-suposta-planilha-de-propinas-da-odebrecht.html