"Virei o 'Lulinha paz e amor', não vou para brigar", diz Lula sobre cargo na Casa Civil; ex-presidente falou para 200 mil pessoas em ato, segundo estimativas dos organizadores

Ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva discursa durante o ato pró-governo
Alex Silva/Estadão Conteúdo - 18.03.16
Ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva discursa durante o ato pró-governo

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva adotou um tom conciliador ao discursar, por volta das 19h30 desta sexta-feira (18), no ato de apoio ao governo realizado por militantes petistas e movimentos sociais na Avenida Paulista, em São Paulo.

Lula defendeu por diversas vezes um "convívio harmônico" entre as alas da sociedade que pedem o impeachment da presidente Dilma e os apoiadores do governo.

"O País precisa voltar a crescer e ter uma sociedade harmônica que entenda que a democracia é a convivência das diferenças. Não quero que aqueles que votaram no Aécio votem em mim. Quero que a gente aprenda a conviver de forma civilizada", afirmou Lula.

O ex-presidente, no entanto, atacou os críticos do governo ao sugerir que a oposição estaria "atrapalhando" o trabalho de Dilma.

"Eu perdi três eleilções e, em nenhum momento, vocês me viram ir para a rua protestar contra quem ganhou. Eles [opositores] acreditaram que iam ganhar e não aceitaram a derrota. Faz um ano e três meses que eles estão atrapalhando a presidente Dilma a governar este País", bradou Lula.

Para cerca de 200 mil pessoas, de acordo com as estimativas dos organizadores, o novo ministro-chefe da Casa Civil falou ainda sobre os motivos que o fizeram aceitar o convite da presidente Dilma Rousseff para assumir o cargo no Planalto.

"Eu relutei muito para aceitar o convite. Na hora que eu aceitei, virei o 'Lulinha paz e amor'. Não vou lá para brigar, vou para ajudar a Dilma a fazer as coisas que tem de ser feitas neste País. Precisamos restabelecer a paz, a esperança e provar que este País é maior que qualquer crise", discursou o ex-presidente.

Além da manifestação na Avenida Paulista, outros atos de apoio a Lula e ao governo Dilma Rousseff foram registrados também em ao menos 25 Estados e no Distrito Federal nesta sexta-feira (18).


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.