Dirigente do PMDB afirma que partido vai romper com governo Dilma

Por Estadão Conteúdo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Moreira Franco é um dos dirigentes da legenda mais próximos de Michel Temer, vice de Dilma e presidente nacional do PMDB

Estadão Conteúdo

PMDB optou por prazo de 30 dias para decidir se continuará aliado ou se romperá com o governo
Antonio Cruz l Agencia Brasil
PMDB optou por prazo de 30 dias para decidir se continuará aliado ou se romperá com o governo

Um dos dirigentes peemedebistas mais próximos do vice-presidente Michel Temer, o ex-ministro Moreira Franco, disse nesta sexta-feira (18) que a reunião do diretório nacional do PMDB marcada para 29 de março vai aprovar rompimento com o governo da presidente Dilma Rousseff. Em sua conta no Twitter, Moreira escreveu: "O sentido de urgência do PMDB é conectado à vontade do povo. No passado foi assim. Agora, na saída de Dilma também. Terça (29) vai decidir rompimento".

"A tendência é de rompimento, acho que se consolidou. É só você olhar as ruas", disse Moreira à reportagem em referência aos protestos contra o governo e o PT. "O PMDB tem o sentido da urgência, anda de acordo com a vontade popular", afirmou.

Sobre como será, na prática, o rompimento com o governo, o ex-ministro disse que esse tipo de decisão será tomada pelo diretório nacional. "Romper é romper", declarou.

Em convenção realizada no sábado (12), o PMDB optou por um prazo de trinta dias para decidir se continuará aliado ou se romperá com o governo. No entanto, o agravamento da crise, motivado pela divulgação de grampos do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, levou o partido a antecipar a reunião.

Na quinta-feira (17),  o comando do PMDB decidiu não participar da posse conjunta de Lula na Casa Civil, do deputado Mauro Lopes (PMDB-MG) na Secretaria de Aviação Civil e do procurador Eugênio Aragão no Ministério da Justiça. A ida de Lopes para o governo aconteceu à revelia da decisão da convenção nacional do partido, que proibiu os filiados a assumirem cargos no governo. O novo ministro da Aviação Civil deverá ser expulso do PMDB.

Leia tudo sobre: pmdbdilma rousseffpartido dos trabalhadorespt

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas