Cardozo vai ao STF para explicar conversa de Lula e Dilma a ministros

Por Estadão Conteúdo |

compartilhe

Tamanho do texto

Advogado-geral da União só não conseguiu falar com Gilmar Mendes, relator de mandados de segurança contra o governo

Estadão Conteúdo

José Eduardo Cardozo explicou que Dilma queria que Lula assinasse termo para realizar cerimônia de posse
José Cruz/ Agência Brasil - 03.03.16
José Eduardo Cardozo explicou que Dilma queria que Lula assinasse termo para realizar cerimônia de posse

O advogado-geral da União, José Eduardo Cardozo, procurou os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) nesta quinta-feira (17) para dar explicações sobre o áudio interceptado pela Lava Jato que mostra uma conversa da presidente Dilma Rousseff com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Nesta quarta-feira (16), o juiz Sérgio Moro, que conduz o processo da Lava Jato em primeira instância, levantou o sigilo dos autos da investigação sobre o ex-presidente Lula e tornou públicos áudios interceptados por investigadores. Em uma das conversas, a presidente Dilma conversa com Lula sobre o termo de posse como ministro da Casa Civil.

No diálogo, a presidente afirma que iria enviar a Lula o termo de posse para ser usado em "caso de necessidade". Para investigadores, a conversa demonstra tentativa de evitar a prisão do ex-presidente conferindo ao petista foro privilegiado.

Cardozo foi ao salão branco da Corte, onde os integrantes do Tribunal costumam receber advogados após as sessões do plenário, e conversou com todos os presentes.

Explicou que a presidente, na verdade, enviaria o termo de posse para que Lula deixasse assinado e possibilitasse a realização da cerimônia no caso de o ex-presidente não poder viajar a Brasília.

Segundo ele, os ministros foram receptivos e entenderam a ponderação.

O ministro Gilmar Mendes, crítico ao governo e relator de mandados de segurança que pedem a suspensão da posse de Lula, não estava no local quando Cardozo foi ao Tribunal.

A ministra Rosa Weber, uma das procuradas pelo advogado-geral da União, evitou comentários ao deixar o Tribunal. Em uma das conversas interceptadas, o ex-presidente Lula pedia que o ex-ministro da Casa Civil Jaques Wagner falasse com Dilma sobre "o negócio da Rosa Weber".

A ministra foi relatora do pedido da defesa de Lula para retirar das mãos do juiz Sérgio Moro investigação sobre o ex-presidente que corria na Justiça Federal em Curitiba. Para o ministro da AGU, as colocações no áudio não causam constrangimento ao Tribunal.

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas