Oposição mira impeachment de Dilma e dá sobrevida a Cunha

Por Paula Pacheco - iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Alvo de três processos no Supremo e do Conselho de Ética, o presidente da Câmara dos Deputados deve ficar em segundo plano enquanto durar julgamento da presidente Dilma

Situação de Cunha é constrangedora, mas parlamentares devem focar no julgamento de Dilma
Charles Sholl/Futura Press - 24.02.16
Situação de Cunha é constrangedora, mas parlamentares devem focar no julgamento de Dilma

O combustível que a oposição precisava para acelerar o processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT) na Câmara dos Deputados veio em boa parte das manifestações do último domingo (13). E quem deve ganhar sobrevida com a volta do pedido de afastamento à Casa é o presidente da Casa, Eduardo Cunha (PMDB-RJ).

Sob julgamento do Conselho de Ética da Câmara e alvo de três inquéritos no Supremo Tribunal Federal (STF), Cunha vem sendo pressionado a deixar a presidência da Casa. Mas, com a estratégia de intercalar afagos e ataques tanto em direção à situação quanto na direção dos oposicionistas, o peemedebista tem conseguido se manter no cargo.

Líder do DEM na Câmara, Pauderney Avelino (AM) garante que a presença de Cunha no comando da Casa não deve comprometer os trâmites do impeachment. "Infelizmente temos o Cunha com esse processo, mas a Câmara se move como instituição, não importa quem é o presidente." Segundo o democrata, a formação da comissão do impeachment será decidida ainda nesta semana – a previsão é que o STF decida como a Casa deve agir na quarta-feira (16) ou até quinta-feira (17).

Assim como o deputado do DEM, Antônio Imbassahy (BA), líder tucano, avalia que a presença de Cunha – que num primeiro momento emperrou o avanço dos pedidos de impeachment contra Dilma para depois se posicionar como oposição – não deve influenciar no avanço do julgamento da presidente. "Ele é chefe de um Poder e, ao mesmo tempo, é investigado pelo Conselho de Ética. Eu mesmo já pedi que ele renunciasse ao cargo. É extremamente constrangedor [que o peemedebista permaneça no comando da Câmara], diz o tucano.

Para Imbassahy, presença de Cunha na Câmara não deve influenciar no impeachment de Dilma
Gustavo Lima / Camara dos Deputados
Para Imbassahy, presença de Cunha na Câmara não deve influenciar no impeachment de Dilma

Para um outro cacique na Câmara, pode ter chegado o momento de parte da oposição ser pressionada a explicar a razão de não assumir uma postura mais clara contra Eduardo Cunha, não só dentro da própria Câmara, mas por aqueles que protestaram em boa parte do País e já não parecem ter a mesma tolerância a escorregadelas de políticos como as que gravitam em torno do peemedebista. "A oposição cutuca o Cunha, mas faz o jogo quando convém", argumenta o deputado. Um outro deputado adverte: "Cunha é parte da Câmara, mas não tem como inviabilizar o impeachment da Dilma."

Adversário de Cunha, Júlio Delgado (PSB-MG) adverte que a presença do peemedebista na Câmara durante o julgamento do impedimento da presidente pode ser uma ameaça. "Quem garante que ele não vai usar o cargo para ter algum tipo de vantagem no processo de impeachment? Afastar a Dilma e manter o Cunha será o mesmo que dar poder a ele", opina. Se a presidente for afastada na primeira metade do mandato, quem assume a presidência interinamente é o presidente da Câmara.

Cunha pareceu respirar aliviado depois da leitura do pedido de impeachment protocolado na Casa contra a presidente Dilma . Foto: Marcelo Camargo/ Agência Brasil - 3.12.15Eduardo Cunha comemora com seus apoiadores sua eleição à presidência da Câmara dos Deputados -  1º de fevereiro. Foto: Câmara dos DeputadosEm março, logo no início do mandato como presidente da Câmara, Cunha preside sessão de votações com ar confiante. Foto:  Fabio Rodrigues Pozzebom/ Agência Brasil - 19.3.15Em outubro, já rompido com o governo, Cunha tenta manter o controle na Câmara. Foto: Valter Campanato/Agência Brasil - 21.10.1512 de março de 2015: Cunha fala na sessão da CPI da Petrobras que não tem conta no exterior. Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil -12.3.15Cunha fala com a imprensa sobre CPI da Petrobras; depoimento dado aos parlamentares desencadeou o inferno astral do parlamentar. Foto: Antônio Cruz/ Agência Brasil - 3.3.15Com olhar desconfiado, Cunha sai de casa após operação de busca e apreensão em sua residência oficial, em Brasília. Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil - 10.12.15Em novembro, Cunha é hostilizado e recebe uma chuva de dólares falsos com a sua face estampada. Foto: Lula Marques/Agência PT - 4.11.15O presidente da Câmara reforça as críticas ao governo a medida que é pressionado pelas investigações da Lava Jato. Foto: José Cruz/Agência Brasil - 19.11.15Nas brigas, o tom de Cunha foi pesando a medida que o parlamentar sentiu-se acuado. Foto: Lula Marques/ Agência PTO presidente da Câmara bancou as pautas mais conservadoras na Casa. Foto: Lula Marques/ Agência PT - 10.11.15Apesar do cargo, Cunha não se importou em manter as aparências nem cultivou uma relação cordial com jornalistas e parlamentares. Foto: Lula Marques/Agência PTA situação de Cunha ficou ainda mais complicada depois de a PGR pedir que ele seja afastado da presidência da Câmara e do mandato parlamentra. Foto: Lula Marques/Agência PT - 5.11.15Com o apoio do baixo clero e de parte do PMDB, Cunha tenta se manter no poder. Foto: Lula Marques - 5.11.15O deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) na sessão em que leu o pedido de impeachment da Dilma: segundo a presidente, o parlamentar fez um achaque ao Planalto. Foto: Agência BrasilO presidente da Câmara protelou a votação dos itens relacionados ao ajuste fiscal e dificultou a vida do governo. Foto: Lula Marques/Agência PTCunha vem defendendo insistentemente o rompimento do PMDB com o governo. Foto: Antônio Cruz/Agência Brasil - 15.12.15Sessões longas, que entraram pela madrugada, marcaram a gestão de Cunha como presidente da Câmara. Foto: Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/ Agência BrasilComo defesa, Cunha diz ser vítima de ataques do Planalto e da PGR. Foto: Wilson Dias/Agência BrasilSem sucesso, Cunha tentou costurar com os líderes dos partidos na Câmara uma forma de abordar o Supremo no caso do impeachment da presidente Dilma. Foto:  Marcelo Camargo/Agência Brasil - 21.12.15


Leia tudo sobre: DilmaCunhaimpeachmentoposição

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas