Defesa de Lula pede julgamento imediato de recurso no STF após caso ir para Moro

Por Estadão Conteúdo |

compartilhe

Tamanho do texto

Advogados do ex-presidente cobram decisão sobre se as investigações contra Lula podem ser conduzidos tanto pela força-tarefa da Lava Jato quanto pelo Ministério Público de SP

Estadão Conteúdo

Pedido de prisão preventiva de Lula será analisado pelo juiz federal Sérgio Moro
Futura Press
Pedido de prisão preventiva de Lula será analisado pelo juiz federal Sérgio Moro

Em agravo regimental apresentado nesta segunda-feira (14) ao Supremo Tribunal Federal (STF), a defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou que "os fatos novos" no curso da investigação sobre o petista indicam a "necessidade de julgamento imediato" dos recursos apresentados à Corte.

Os advogados pedem que a ministra Rosa Weber reconsidere ou leve à próxima sessão da 1ª Turma do STF, que ocorre nesta terça-feira (15), a sua decisão sobre se as investigações contra o ex-presidente podem ser conduzidas tanto pela força-tarefa da Lava Jato quanto pelo Ministério Público de São Paulo.

O apelo da defesa de Lula acontece no dia em que a juíza Maria Priscilla Veiga Oliveira decidiu transferir o caso do ex-presidente para o juiz Sérgio Moro, responsável pelos processos sobre o esquema de corrupção na Petrobras. Na prática, caberá a Moro decidir sobre o pedido de prisão preventiva apresentada pelo Ministério Público de São Paulo, que sustenta que Lula é dono de um tríplex em Guarujá.

O objetivo dos advogados do ex-presidente é tirar o caso das mãos de Moro. No agravo, eles afirmam que, "ao declinar sob o pretexto de os fatos em apuração terem alguma relação com 'desvios da Petrobras', a decisão da Justiça Paulista cometeu um grave equívoco".

A defesa também argumenta que o próprio Supremo definiu que apenas "fatos que se imbriquem de forma tão profunda" com o esquema da estatal poderiam ser investigados no âmbito da Operação Lava Jato e alegam que esse não é o caso.

A decisão de Rosa Weber de negar a liminar da defesa do ex-presidente foi tomada no último dia 4, quando Lula foi alvo da 24ª fase da Operação Lava Jato. Dias depois, a defesa do líder petista entrou com um recurso, que aguarda para ser julgado. Apesar do apelo de urgência, fontes do Tribunal consideram difícil o caso de Lula já entrar na pauta desta terça-feira, quando a 1ª turma se reúne.

Leia tudo sobre: STFLulaSérgio MoroOperação Lava Jato

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas