A senadora, que se elegeu pelo PT e migrou para o PMDB, foi detonada pelos manifestantes neste domingo (13)

Marta Suplicy, que tenta se eleger em São Paulo, foi vaiada na Avenida Paulista
Waldemir Barreto/ Agência Senado - 20.5.15
Marta Suplicy, que tenta se eleger em São Paulo, foi vaiada na Avenida Paulista

A candidatura da senadora Marta Suplicy (PMDB) à Prefeitura de São Paulo foi confrontada com o seu passado como nome do Partido dos Trabalhadores (PT). Ao lado de outros oposicionistas que participaram neste domingo (13) do ato pelo impeachment e contra o governo, na capital paulista, a parlamentar foi vaiada e hostilizada pelos manifestantes. "Vira-casaca", gritaram algumas pessoas.

Para contornar o mal-estar, Marta teve de sair discretamente e se refugiou no prédio da Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo), que é presidida por outro peemedebista, Paulo Skaf.

A reação negativa dos manifestantes pode ser um sinal de que a candidatura da ex-petista vai enfrentar a reação daqueles que são contrários ao governo e ao PT e que sua migração para o PMDB não funcionou na cabeça do eleitor.

Nota da senadora

Diferentemente do que foi relatado por manifestantes que flagraram como Marta Suplicy foi recebida na Avenida Paulista, sua assessoria informou por meio de nota que o protesto partiu de uma única pessoa, e que a senadora foi "positivamente saudada por centenas de manifestantes que o tempo todo vinham ao seu encontro para cumprimentá-la e fazer fotografias ao lado de simpatizantes e seus familiares".

"Registre-se que uma única pessoa, um senhor acompanhado de uma mulher, exclamou em voz alta  a frase PMDB é igual ao PT", informa a nota da senadora.

Veja mais imagens da manifestação de 13 de março:


    Leia tudo sobre: impeachment
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.