Gerdau nega relação com negociações ilegais

Por Estadão Conteúdo |

compartilhe

Tamanho do texto

Grupo afirma que usa escritórios no Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf) e que nenhum valor foi pago

Estadão Conteúdo

Arnaldo Malheiros Filho, advogado do presidente do Grupo Gerdau, André Gerdau Johannpeter
Nilton Fukuda/Estadão Conteúdo - 26.02.2016
Arnaldo Malheiros Filho, advogado do presidente do Grupo Gerdau, André Gerdau Johannpeter


O Grupo Gerdau afirma que sempre fez uso de escritórios externos no Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf), visando ao "mais adequado assessoramento", de "estrita natureza técnica". "Os contratos com esses escritórios externos, como outros que a Gerdau possui com prestadores de serviço, foram firmados com cláusula que determina absoluto respeito à legalidade, cujo descumprimento acarreta na imediata rescisão", disse a assessoria da empresa em comunicado.

O grupo também afirmou que "nenhuma importância foi paga ou repassada aos escritórios externos do caso específico" e que os contratos foram rescindidos quando o nome dos prestadores de serviço foram vinculados a ilegalidades no Carf.

"A empresa jamais concedeu qualquer autorização para que seu nome fosse utilizado em pretensas negociações ilegais, repelindo veementemente qualquer atitude que tenha ocorrido com esse fim", acrescentou.

A reportagem não localizou os ex-conselheiros do Carf Valmar Fonseca e Valmir Sandri, assim como os representantes das empresas Planeja Assessoria Empresarial e a Alfa Atenas Assessoria Empresarial. 

Leia tudo sobre: gerdaucarfpolícia federalsão paulo

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas