CPMF é a única proposta na mesa neste momento, diz líder do PMDB

Por Agência Brasil |

compartilhe

Tamanho do texto

População é mais afetada pela falta de cumprimento de meta fiscal do que seria por uma CPMF, afirma Leonardo Picciani

Agência Brasil

Para Picciani, atual cenário econômico do País tem provocado aumento dos juros reais
Marcelo Camargo/ Agência Brasil
Para Picciani, atual cenário econômico do País tem provocado aumento dos juros reais

O não cumprimento das metas fiscais está resultando em efeitos mais negativos para a população do que a eventual volta da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF). A avaliação é do novo líder do PMDB na Câmara dos Deputados, Leonardo Picciani (RJ).

Para o novo líder, o atual cenário econômico do País tem provocado aumento dos juros reais pagos pelos cidadãos, diminuição de empregos, insegurança para investimentos e alta excessiva do dólar. E a única proposta em debate, neste momento, para resolver os problemas decorrentes do ajuste fiscal é a CPMF.

“Temos de fazer um debate neste momento em que temos um problema fiscal no País. A grande trava da nossa economia não é a falta de dinheiro e não é a falta de fundamentos, porque existem linhas de créditos e existem fontes de financiamentos e de investimentos. Temos mais de US$ 350 bilhões de reserva cambial. Temos os macro fundamentos basicamente controlados. A economia não avança por insegurança com relação ao cumprimento das metas fiscais. E o remédio que está apresentado para enfrentar isso é a CPMF. Não basta ao Congresso ser contra a CPMF. É preciso discutir ou apresentar uma outra solução ou uma proposta”, disse o líder pemedebista, durante o programa Espaço Público, que foi ao ar nesta terça-feira (23) na TV Brasil.

O deputado considera um "discurso raso" o argumento de que o País já tem uma carga tributária alta e, por isso, a CPMF não deve ser recriada. Para Picciani, o país já vive hoje um cenário “muito pior” em comparação a um cenário com CPMF.

Picciani disse não ter “nenhuma paixão” pelo tributo, que é apontado pelo governo federal como a forma de se resolver os problemas relativos ao ajuste fiscal. “Mas neste momento eu sou a favor da CPMF. Claro que não tenho nada contra se alguém tiver uma outra ideia que destrave a economia e que faça os juros voltarem a ter um centro mais razoável, dando confiança ao investidor. Mas, neste momento, a única proposta que tem à mesa é a CPMF. Até que se tenha outra proposta, a simples negação não me convence. Discursos como o da Fiesp [Federação das Indústrias do Estado de São Paulo], de que 'eu não vou pagar o pato', não me convencem. E não estou convencido de que o que é bom para a Fiesp seja bom para o País”.

O câmbio, na avaliação dele, também acaba se tornando mais um problema. “Além dos fatores externos, que são incontroláveis, tem o fato de todos [investidores] migrarem para os investimentos seguros lastreados em dólar, que é uma moeda forte”, disse o parlamentar. “Você tem, então, uma paralisia da economia. Portanto essa indecisão [sobre a questão da CPMF], essas ilações e esse falar contra têm custado muito caro ao País”, acrescentou.

Leia tudo sobre: leonardo piccianipmdbcpmfcâmaracongresso

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas