Marqueteiro João Santana diz que Brasil vive "clima de perseguição"

Por Agência Brasil |

compartilhe

Tamanho do texto

Publicitário que teve a prisão decretada nesta segunda deixará seu trabalho na eleição presidencial da República Dominicana

Agência Brasil

João Santana sobre citação na Lava Jato:
Reprodução/Youtube
João Santana sobre citação na Lava Jato: "Não posso dizer que fiquei surpreso"

O publicitário João Santana decidiu nesta segunda-feira (22) deixar a campanha eleitoral de Danilo Medina, candidato à reeleição na República Dominicana. Em carta encaminhada ao comitê do Partido de La Liberacion Dominicana (PLD), Santana disse que desligou-se da campanha para retornar ao Brasil para se defender de “acusações infundadas” das autoridades brasileiras. Na carta, Santana também disse que acordou com a notícia de que teve seu nome ligado à investigação da Lava Jato: “Conhecendo o clima de perseguição que se vive hoje em dia em meu país, não posso dizer que fiquei surpreso, mas, mesmo assim é difícil de acreditar”, disse.

Santana, a mulher, Mônica Moura, e outros investigados na 23ª fase da Operação Lava Jato, deflagrada nesta segunda-feira, tiveram prisão decretada pelo juiz federal Sérgio Moro. 

Na carta, João Santana declarou que, desde a semana passada, colocou-se à disposição das autoridades brasileiras para esclarecer “qualquer especulação”. Além disso, o publicitário declarou que vai prestar as informações necessárias para “estabelecer a verdade dos fatos”.

De acordo com a defesa do publicitário, Santana e Mônica Moura vão se entregar à Polícia Federal assim que desembarcarem no Brasil.  Eles estão na República Dominicana e devem chegar nas próximas horas.

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas