Marchinha do MBL chama Picciani de "trambiqueiro" antes de disputa do PMDB

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Desafeto de Eduardo Cunha, candidato reeleito líder do PMDB na Câmara, Leonardo Picciani, é chamado de 'moleque' e 'trambiqueiro'; carro de som do grupo foi apedrejado

Mais que uma disputa entre correligionários, a eleição que reconduziu Leonardo Picciani (RJ) à função de líder do PMDB na Câmara dos Deputados se mostrou na tarde desta terça-feira (17) uma verdadeira queda de braço entre Dilma Rousseff e Eduardo Cunha. 

E em meio a esse embate, o candidato Hugo Motta (PB), aliado do presidente da Câmara, acabou herdando o inusitado apoio do Movimento Brasil Livre (MBL), grupo que pede o impeachment da presidente Dilma Rousseff.

O grupo colocou um carro de som em plena praça dos Três Poderes reproduzindo uma marchinha carnavalesca recheada de ofensas a Picciani (que era apoiado pelo Planalto).

"Ele é sujo lá no Rio/ Sujo no Brasil inteiro/ Sujo dentro do partido/ Mafioso e trambiqueiro", diz um trecho da música.

Em outro verso da marchinha, o líder reeleito do PMDB é chamado de "moleque" e de "pau mandado do governo".

Ouça mais da marchinha no vídeo abaixo:

Irritados com a campanha anti-Picciani, manifestantes que apoiam o governo Dilma depredaram o carro de som e fizeram com que a música parasse de ser reproduzida, conforme confirmou ao iG o integrante do MBL Fernando Holiday.

A assessoria de imprensa do candidato derrotado Hugo Motta negou que o deputado teve qualquer envolvimento com o protesto contra Picciani, que "é amigo" de Motta, ainda de acordo com os assessores do parlamentar.

Eleito por 37 votos a 30, Picciani é considerado "o cão de guarda de Dilma" pelo Movimento Brasil Livre.

Apesar de o protesto ter servido aos interesses de Cunha e do fato de os integrantes do grupo já terem se reunido com o presidente da Câmara em ocasiões passadas, o MBL nega apoiar Eduardo Cunha.

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas