Provas da Lava Jato podem ser usadas contra Dilma, diz Procuradoria Eleitoral

Por Agência Brasil |

compartilhe

Tamanho do texto

A defesa de Dilma diz que informações da Lava Jato não podem ser emprestadas para andamento do processo eleitoral

Agência Brasil

O vice-procurador-geral Eleitoral, Eugênio Aragão, enviou parecer ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) defendendo o uso de provas da Operação Lava Jato em uma das ações nas quais o PSDB pede a cassação dos mandatos da presidente Dilma Rousseff e do vice, Michel Temer.

Segundo a defesa, não houve uso da autoridade governamental por parte da presidente e do vice
Marcelo Camargo/Agência Brasil - 7.12.15
Segundo a defesa, não houve uso da autoridade governamental por parte da presidente e do vice

Para o procurador não há irregularidade no compartilhamento dos dados das investigações. No entanto, Aragão sugeriu que, antes de pedir documentos específicos, o tribunal deve ouvir testemunhas.

"A Operação Lava Jato compreende algumas centenas de autos, a repercutir em enorme complexidade de análise e de pesquisa que envolva todos estes processos. Além disso, nem todos os documentos listados guardam relação direta com os fatos sob investigação nestes autos, pelo menos na extensão pretendida pelos requerentes", argumenta o procurador.

Na ação, a defesa da coligação da presidente alega que as informações da Lava Jato não podem ser emprestados para o andamento do processo eleitoral.

Outras ações do PSDB

Dilma e Temer são alvos de mais três ações do PSDB no TSE. Na defesa entregue em uma delas, os advogados de Temer alegaram que doações declaradas de empresas que têm capacidade para contribuir não são caixa dois.

Segundo a defesa do vice-presidente, o PSDB também recebeu doações de empresas que colaboraram para a campanha de Temer e Dilma. Dessa forma, no entendimento dos advogados, não houve “uso da autoridade governamental” por parte da presidente e do vice.

O prazo para entrega da defesa da presidente ainda não terminou. Na ação, o PT sustenta que todas as doações que o partido recebeu foram feitas dentro da lei e declaradas à Justiça Eleitoral. As contas eleitorais da presidenta e de Temer foram aprovadas por unanimidade pelo plenário do TSE, em dezembro de 2014, mas são questionadas pelo PSDB.

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas