Justiça da Suíça defende validade de provas contra a Odebrecht na Lava Jato

Por Agência Brasil |

compartilhe

Tamanho do texto

Defesa da empreiteira pede anulação dos documentos, que não seguiram os procedimentos necessários ao serem enviados ao Ministério Público Federal do Brasil

Agência Brasil

Empreiteira Odebrecht está envolvida em uma série de crimes investigados pela Operação Lava Jato
Marcos Bezerra/Futura Press
Empreiteira Odebrecht está envolvida em uma série de crimes investigados pela Operação Lava Jato

O Departamento de Justiça da Suíça confirmou ao governo brasileiro que as provas obtidas pela investigação da Operação Lava Jato sobre a Odebrecht são válidas.

Em ofício enviado ao Ministério da Justiça no início deste mês, as autoridades suíças afirmam que a Justiça daquele país não impediu o uso de dados bancários sobre supostos valores indevidos que eram pagos em contas operadas por ex-diretores da Petrobras. De acordo com as investigações, os valores eram repassados por meio de empresas offshore controladas pela empreiteira.

Em janeiro, a Justiça da Suíça entendeu que as informações foram repassadas ilegalmente pelo Ministério Público suíço para o Ministério Público Federal (MPF), no entanto, não pediu a devolução dos documentos.

O mesmo entendimento das autoridades suíças sobre a validade dos documentos foi utilizado pelo juiz federal Sérgio Moro para dar prosseguimento à ação penal que envolve a Odebrecht.

Os advogados da empreiteira defendem a ilegalidade das provas. Para a defesa, os documentos, que estavam em poder do Ministério Público da Suíça, não podem ser utilizados nas investigações pelo fato de a Justiça suíça reconhecer que ocorreram erros procedimentais no repasse dos dados.

Leia tudo sobre: Lava JatoSuíçaSérgio MoroOdebrecht

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas