Após decisão de tribunal suíço, ação contra executivos da Odebrecht é suspensa

Por Agência Brasil |

compartilhe

Tamanho do texto

Justiça da Suíça considerou irregular o envio de documentos do país para o Brasil; juiz Sérgio Moro decide paralisar a tramitação da ação penal contra membros da empreiteira

Agência Brasil

Para Moro, há evidências de que a Odebrecht fez pagamentos aos investigados por meio de contas na Suíça
BBC
Para Moro, há evidências de que a Odebrecht fez pagamentos aos investigados por meio de contas na Suíça

O juiz federal Sérgio Moro determinou nesta terça-feira (2) a suspensão da tramitação da ação penal na qual ex-executivos da Empreiteira Odebrecht são investigados na Operação Lava Jato.

A decisão do juiz foi motivada pelo entendimento da Justiça da Suíça de que o compartilhamento de documentos entre o Ministério Público suíço e o Ministério Público Federal (MPF) sobre o suposto pagamento de propina a ex-funcionários da Petrobras foi ilegal. A decisão vale até que o Ministério Público brasileiro se manifeste sobre a questão.

A empreiteira recorreu para impedir que o Ministério Público brasileiro utilize os dados financeiros para embasar as investigações da Lava Jato envolvendo a empresa. De acordo com as investigações, os valores indevidos eram pagos em contas operadas pelo ex-diretores da estatal na Suíça, por meio de empresas offshore controladas pela Odebrecht.

Na decisão, Moro explicou que, apesar de a Justiça suíça reconhecer que ocorreram erros procedimentais no repasse dos documentos, o tribunal não pediu a devolução das provas, fato que impediria a uso dos dados nas investigações no Brasil.

Em julho do ano passado, ao decidir pela abertura de ação penal contra ex-dirigentes da empreiteira, Moro afirmou que há evidências de que a Odebrecht fez pagamentos aos investigados, por meio de contas na Suíça.

“Em especial, a documentação vinda da Suíça, em cognição sumária com a prova material do fluxo de contas controladas pela Odebrecht a dirigentes da Petrobras, é um elemento probatório muito significativo, sem prejuízo da discussão pelas partes e apreciação final pelo Juízo.”

Leia tudo sobre: Operação Lava JatoSérgio MoroOdebrechtPetrobras

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas