Rui Falcão critica superávit como prioridade da política econômica de Dilma

Por Agência Brasil |

compartilhe

Tamanho do texto

Após reunião da executiva nacional do PT, presidente da legenda defende combate à inflação e sugere reforma tributária com aumento de imposto para os mais ricos

Agência Brasil

O presidente do PT, Rui Falcão, defendeu nesta terça-feira (26) mudanças na política econômica do governo da presidente Dilma Rousseff e disse que as medidas têm que girar em torno da manutenção do emprego, da valorização do salário-mínimo e do combate à inflação. Segundo ele, “a busca infatigável” pelo superávit primário de 0,5% do Produto Interno Bruto (PIB), traçada para este ano, não deve ser o centro do debate econômico.

“Essa busca infatigável do superávit provavelmente não será atingida e ela não pode ser o condicionante do núcleo de política econômica, que deve ser o combate à inflação, a valorização do salário-mínimo”, disse Falcão após reunião da executiva nacional do PT. O encontro foi convocado pelo partido para analisar a atual conjuntura política e econômica. “O mercado e os economistas entendem que não será atingido [o superávit]”, acrescentou.

Para petistas, governo recuperou terreno contra os partidos de oposição e seus aliados dentro e fora do Parlamento
Foto Lula Marques/Agência PT
Para petistas, governo recuperou terreno contra os partidos de oposição e seus aliados dentro e fora do Parlamento

A executiva nacional do PT avaliou como positiva a decisão do Banco Central de manter a taxa básica de juros, a Selic, em 14,25% ao ano. “Achamos que foi um primeiro passo e que deve ter um prosseguimento com uma redução gradual dos juros”, disse Falcão.

Ao defender a redução da Selic, o petista disse que a recente política de aumento da taxa não conseguiu conter a inflação e que os juros altos favorecem o aumento da dívida interna, além de não estimularem o investimento.

Para o PT, a nomeação de Nelson Barbosa para o Ministério da Fazenda, em substituição a Joaquim Levy, no fim do ano passado, “desinterditou” o debate sobre a política econômica.

Na próxima terça (2), Barbosa tem uma agenda com os líderes da base aliada no Congresso Nacional para tratar de projetos voltados para a retomada do crescimento.

Para o país voltar a crescer, o PT defende medidas como uma reforma tributária com aumento de imposto para os mais ricos. “A carga dos impostos recai nos impostos indiretos, que recaem sobre toda a população, o que é injusto. A tabela do imposto de renda está totalmente defasada e nós temos proposta para alterá-la”, disse. “[Temos] que criar alíquotas para cima, que poupem a classe média e os trabalhadores e recaiam sobre os mais ricos, que ganhem mais de R$ 100 mil por mês”. 

Falcão, no entanto, reconheceu que a proposta enfrentará resistência no Congresso Nacional, que ele classificou como conservador. Para o presidente do PT, a atual composição do Parlamento não representa a sociedade. “O Congresso, eleito no primeiro turno, não corresponde ao que o povo votou no segundo turno”, comparou.

Ao comentar a possibilidade de aumento na idade mínima para aposentadoria, proposta que pode ser levada ao Congresso pelo governo Dilma, o petista disse que o assunto deve ser debatido no fórum que engloba trabalhadores, aposentados, empresários e que o partido não defenderá soluções de “cima para baixo”.

“Se há problemas com a Previdência, que o governo leve o diagnóstico para essa comissão e que nada seja feito de cima para baixo, o que acho que o governo não fará.”

Impeachment

Durante a reunião da executiva, os petistas também debateram o cenário político e o processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff, acatado pelo presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ).

Para a direção do PT, o governo conseguiu, no fim de 2015, uma “recuperação de terreno contra os partidos da oposição conservadora e de seus aliados dentro e fora do Parlamento”.

No entanto, na avaliação do partido, a situação só ficará tranquila se o governo der uma guinada na política econômica. “Embora tenha arrefecido, a campanha dos golpistas ainda não cessou e é preciso combatê-la. E uma das maneiras de fortalecer a resistência anti-golpista é abrir uma nova etapa no debate da política econômica”, disse Falcão.

Para o partido, o debate sobre o impeachment da presidente Dilma está “quase superado”. A mobilização favorável ao governo no fim de 2015 e a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) sobre o rito do impeachment ergueram “barreiras” ao processo, segundo o presidente do PT.

Falcão também comentou o pedido de cassação de registro do PT, feito na semana passada pelo PSDB. Segundo ele, a iniciativa é um “factoide”.

“Foi repelida até pelo ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, o que mostra que ninguém leva isso a sério.”

Eleições

Na reunião desta terça-feira, o PT também discutiu as estratégias do partido para as eleições municipais deste ano. A direção do partido vai priorizar as alianças com siglas da base aliada.

Segundo Falcão, a campanha deste ano terá que ser mais criativa, devido à proibição do financiamento empresarial. “Vamos fazer uma campanha sob novas regras, sem o financiamento privado que nós sempre combatemos, mas também sem o financiamento público que nós defendíamos”, disse.

Diante das acusações de que o PT usou recursos ilícitos em campanhas eleitorais anteriores, o partido decidiu que pedirá a seus candidatos que assinem um documento se responsabilizando pelo financiamento da campanha.

“Cada candidato se diz ciente das normas eleitorais, especialmente no que diz respeito a financiamento das campanhas, cada um se considerando responsável pelas suas campanhas”, explicou Falcão. “Não é desconfiança. Mas, como as vezes há um erro, um deslize, não queremos a responsabilização do partido.”

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas