Leonardo Picciani protocola requerimento para retornar à liderança do PMDB

Por Agência Câmara | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Na manhã desta quinta-feira (17), o deputado apresentou à Câmara uma lista com 36 assinaturas apoiando a sua liderança

Agência Câmara

O deputado Leonardo Picciani (RJ) protocolou nesta quinta-feira (17) na Secretaria Geral da Mesa indicação do PMDB para sua recondução à liderança do partido na Câmara dos Deputados.

Deputado Leonardo Picciani (PMDB-RJ)
Gustavo Lima/Câmara dos Deputados
Deputado Leonardo Picciani (PMDB-RJ)


O deputado Leonardo Quintão (MG) havia assumido a liderança do PMDB na última quarta-feira (9), após apresentar requerimento com 35 assinaturas, uma a mais do que o necessário para substituir o líder, uma vez que o partido conta com 66 parlamentares.

Na manhã desta quinta-feira (17), Picciani apresentou lista com 36 assinaturas apoiando a sua liderança, incluindo os deputados Pedro Paulo, ex-secretário municipal de governo do Rio de Janeiro; e Marco Antônio Cabral, ex-secretário do Esporte e Lazer do Estado do Rio de Janeiro, que retornaram à Câmara por decisão do diretório estadual (RJ). Segundo Picciani, a volta dos dois deputados não foi para apoiar sua liderança, mas para defender a posição do partido no Rio de Janeiro, que é contrária ao impeachment da presidente Dilma Rousseff.

Tensão política
Picciani informou que ficará na liderança até fevereiro, quando estão previstas novas eleições para escolher o líder do PMDB. Ele afirmou que sua volta representa uma reação à mudança que escolheu o deputado Quintão, que não seguiu a tradição do PMDB de trocar a liderança apenas através de eleições.

O deputado acrescentou que o PMDB tem que contribuir com o País e afirmou que não há tensão interna no partido, mas apenas um tensionamento político devido a questões como ajuste fiscal e impeachment.

Picciani acrescentou que o partido não está dividido. Em relação ao impeachment, ele afirmou que é pessoalmente contra, mas que irá dialogar com seus colegas, e não impor a sua visão. “Ninguém é dono do partido”, disse.

Leia tudo sobre: PolíticaBrasilCâmaraDeputadosPMDB

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas