Defesa de Delcídio deve apresentar pedido de habeas corpus

Por Agência Brasil | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Acusado de obstruir as investigações da Operação Lava Jato, líder do governo no Senado foi preso na última quarta-feira

Agência Brasil

Os advogados de defesa do senador Delcídio do Amaral (PT-MS) estudam apresentar ao Supremo Tribunal Federal (STF) pedido de habeas corpus para liberação do parlamentar. O defensor do senador, Maurício Leite, está na Superintendência da Polícia Federal, em Brasília, para conversar com seu cliente.

A assessoria do político informou à Agência Brasil que a defesa ainda não definiu um prazo para entrar com o habeas corpus pedindo que o senador seja solto, e que, neste momento, os advogados estão “estudando o processo e suas peças para discutirem com o cliente o melhor momento para apresentar o pedido”. Com isso, a expectativa é que o senador passe o fim de semana na Superintendência, onde deverá receber a visita da esposa Maika do Amaral Gomez.

Senador Delcídio do Amaral foi preso na Lava Jato por determinação do Supremo Tribunal Federal
Jefferson Rudy/Agência Senado - 24.11.2015
Senador Delcídio do Amaral foi preso na Lava Jato por determinação do Supremo Tribunal Federal

O senador está detido em uma sala administrativa adaptada da Superintendência desde quarta-feira (25), por determinação do STF. A Procuradoria-Geral da República (PGR), que solicitou o pedido de prisão, diz que o senador tentou atrapalhar as investigações da Operação Lava Jato ao tentar dissuadir o ex-diretor da Área Internacional da Petrobras Nestor Cerveró de firmar um acordo de colaboração premiada com o Ministério Público Federal.

Em gravações, o senador ofereceu R$ 50 mil mensais para a família de Cerveró e um plano de fuga para que ele deixasse o País pelo Paraguai em direção à Espanha. O ex-diretor está preso em Curitiba.

Segundo a Polícia Federal, Delcídio teve uma noite tranquila e dormiu por volta das 23h. Na noite de quinta (26), o senador, que tem diabetes, optou por jantar a comida fornecida pela PF. Delcídio conversou brevemente com alguns policiais sobre matérias veiculadas na imprensa à respeito de sua prisão. À Agência Brasil, policiais relataram que o senador tem se mostrado uma pessoa “gentil, simples e educada".

Depoimento

Em depoimento prestado também na quinta-feira (26), na Superintendência da PF, Delcídio do Amaral negou ter tentado obstruir as investigações da Lava Jato. A oitiva durou quase quatro horas e, segundo a defesa do senador, ele respondeu a todas as perguntas e esclareceu o episódio no qual é acusado de obstruir a Justiça.

“Ele não tentou obstruir a investigação. Foi tudo esclarecido no depoimento que ele prestou”, disse o advogado Maurício Leite, durante entrevista a jornalistas que aguardavam o resultado do depoimento.

O testemunho foi conduzido pelo delegado Thiago De Lamare, que atua na força-tarefa da Lava Jato, e foi acompanhado por dois procuradores da República e dois advogados do senador. Durante o depoimento, o delegado mostrou as gravações feitas pelo filho de Nestor Cerveró, Bernardo Cerveró, que serviram de embasamento para o pedido de prisão do parlamentar.

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas