Conheça o presídio para onde foram levados suspeitos da Lava Jato

Por BBC | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Fotos exclusivas mostram o Complexo Médico Penal, no Paraná, para onde Vaccari e ex-deputados serão transferidos

BBC

Quatro investigados pela Operação Lava Jato - o ex-tesoureiro do PT, João Vaccari Neto, e os ex-deputados André Vargas (ex-PT-PR, atualmente sem partido), Luiz Argôlo (SD-BA) e Pedro Côrrea (PP-PE) - foram transferidos nesta terça-feira para o Complexo Médico Penal (CMP), na região metropolitana de Curitiba, no Paraná.

 Eles estavam presos na carceiragem da Polícia Federal em Curitiba e sua transferência para o CMP foi autorizada na segunda-feira pelo juiz federal Sérgio Moro. Com a chegada dos quatro, o Complexo passa a abrigar nove presos pelo esquema de corrupção na Petrobras. 

Leia mais:

Cerveró é condenado a cinco anos de prisão

Vaccari propôs à Camargo Corrêa quitar dívida com doação ao PT, diz ex-executivo

Atualmente, Renato Duque, ex-diretor de Serviços da Petrobras; Guilherme Esteves de Jesus, investigado por lavagem de dinheiro, e os empresários Fernando Soares (conhecido como "Fernando Baiano"), Mário Góes e Adir Assad, apontados como operadores no esquema, estão detidos no CMP. 

Também já passaram pelo local executivos das empreiteiras OAS, Mendes Júnior, Camargo Corrêa e Galvão Engenharia, libertados por decisão do Supremo Tribunal Federal no final do mês de abril. Eles estão em prisão domiciliar desde então. 

A BBC Brasil visitou o Complexo Médico Penal e algumas das celas destinadas aos presos na Operação Lava Jato. Confira as imagens:

Complexo Médico Penal (CMP), na região metropolitana de Curitiba, no Paraná
BBC
Complexo Médico Penal (CMP), na região metropolitana de Curitiba, no Paraná

A maior parte das celas no CMP são sujas e apertadas. Algumas tem até seis camas e estão frequentemente abarrotadas de cadeiras de rodas e equipamento médico. Alguns dos prisioneiros têm doenças mentais e outros têm problemas de saúde mais sérios.

Vaccari Neto, e os ex-deputados André Vargas (ex-PT-PR, atualmente sem partido), Luiz Argôlo (SD-BA) e Pedro Côrrea (PP-PE) - foram transferidos para a unidade
BBC
Vaccari Neto, e os ex-deputados André Vargas (ex-PT-PR, atualmente sem partido), Luiz Argôlo (SD-BA) e Pedro Côrrea (PP-PE) - foram transferidos para a unidade

Ao contrário do que ocorre em outras prisões, aqui o pátio que os detentos frequentam é um ambiente calmo. O CMP também abriga um número de presos acima de sua capacidade – são 692 pessoas para 554 vagas –, mas há bastante rotatividade. De acordo com os funcionários, cerca de 50 detentos chegam e saem do local todos os dias.

Presídio para onde foram levados suspeitos da Lava Jato
BBC
Presídio para onde foram levados suspeitos da Lava Jato

As três celas da imagem acima – de números 601, 602 e 603 – já abrigaram executivos envolvidos na Lava Jato. Três detentos ocupam cada cela, onde têm acesso a colchões e travesseiros mais limpos e confortáveis. Eles também têm televisões, livros e artigos de escritório.

Prisioneiros nesta parte do CMP reclamam da comida servida a eles
BBC
Prisioneiros nesta parte do CMP reclamam da comida servida a eles

No momento da visita da BBC Brasil, os detentos estavam rodeados de documentos pessoais. Esta ala da prisão é limpa e parece ter sido reformada recentemente, mas outros prisioneiros nesta parte do CMP reclamam da comida servida a eles, algo comum em presídios brasileiros.

Complexo passa a abrigar nove presos pelo esquema de corrupção na Petrobras
BBC
Complexo passa a abrigar nove presos pelo esquema de corrupção na Petrobras


 

Todos os prisioneiros que chegam aqui fazem uma série de exames médicos – desde pressão arterial até saúde mental.

Leia tudo sobre: operação lava jatolava jatocpipetrobrasvaccariprisão

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas