Governo vetará carência maior para abono salarial integral, diz líder no Senado

Por Agência Brasil - |

compartilhe

Tamanho do texto

Decisão faz parte do acordo para que medidas provisórias do ajuste fiscal sejam votadas antes de perderem a validade

Agência Brasil

Facebook/Reprodução
"Combinamos todos os encaminhamentos com o governo", diz Delcídio Amaral

O governo se comprometeu a vetar o artigo da Medida Provisória (MP) 665 que estabelece que os trabalhadores só terão direito ao abono salarial integral, de um salário-mínimo, se tiverem trabalhado pelo menos 90 dias no ano anterior. A resistência a este ponto foi o motivo de a MP não ter sido votada nesta quarta-feira (21). Agora, a eabonoxpectativa é que o texto seja aprovado na próxima terça-feira (26).

“Nós combinamos todos os encaminhamentos com o governo”, garantiu o líder do governo no Senado, Delcídio Amaral (PT-MS). “Nós fizemos, inclusive, avaliação dos impactos. Está tudo sob controle”, completou.

Leia também:

- Aprovação da MP do ajuste fiscal foi vitória da sociedade, diz Levy

- Trabalhadores entram na Justiça contra MP do seguro-desemprego

Como o plenário fez a discussão da matéria na sessão de quarta-feira (20), a ordem do dia da próxima terça-feira (26) começará com o início da votação da medida. Segundo o líder do governo, com o acordo, a MP será votada conforme o texto enviado pela Câmara dos Deputados. Sem alterações, o texto seguirá para a sanção da presidenta Dilma Rousseff.

A preocupação do governo é com o prazo desta medida provisória e também das MPs 664 e 668. Todas perderão a validade por decurso de prazo no dia 1º de junho e, por isso, precisam ser aprovadas sem alteração para não precisarem retornar para outra análise da Câmara dos Deputados.

Segundo o líder do governo, as três medidas tratam do ajuste fiscal e não podem perder a validade. A MP 664 é a que trata de mudanças no acesso dos trabalhadores a pensão por morte e recebeu na Câmara uma emenda que muda a fórmula de cálculo do fator previdenciário. A MP 668 aumenta as alíquotas de PIS e Cofins sobre a importação de mercadorias.

Sindicalistas fazem protesto contra ajuste fiscal; veja imagens

Irreverente ou de mau gosto? Protesto na votação MP 664/14 teve traseiros de fora na galeria da Câmara. Foto: Laycer Tomaz / Câmara dos DeputadosManifestantes exibiram cartazes contra os governistas durante a votação da MP 664/14. Foto: Gustavo Lima/Câmara dos DeputadosProtestos coordenados por Paulinho da Força têm tomado conta da Câmara, como o que aconteceu na votação da MP 664/14. Foto: Gustavo Lima/Câmara dos DeputadosProtesto durante votação na Câmara teve o apoio da Força Sindical (13/05/2015)). Foto: Gustavo Lima/Câmara dos DeputadosManifestantes protesta na Câmara durante votação da MP 664/14, que muda as regras de pensão por morte. Foto: Gustavo Lima/Câmara dos Deputados

“Nós montamos a agenda para a semana que vem, começando pela 665. Depois temos a 664 e a 668. A 668 é muito importante porque trata do imposto de importação, e esse é um tema relevante, porque é injeção na veia, ou seja, é dinheiro que entra no caixa. Então, nós estamos preocupados com o tempo, porque essas medidas caducam no início de junho”, afirmou Delcídio.

Ele se reuniu com vice-presidente da República e responsável pela articulação política do governo, Michel Temer (PMDB), e com os líderes da base governista. Além do acordo sobre o veto ao artigo sobre abono salarial na MP 665, ficou acertado que as outras duas medidas serão aprovadas sem alteração para evitar que percam a validade.

Leia tudo sobre: governo

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas