Legenda diz ter conseguido 50 mil assinaturas; dois senadores já conversam para migrar rumo ao partido de Heloisa Helena

Os dirigentes da Rede Sustentabilidade pretendem dar entrada na petição para o registro do novo partido daqui a duas semanas e já preparam a legenda para ter candidatos nas eleições municipais do próximo ano.  De acordo com o ambientalista Pedro Ivo, as 50 mil assinaturas para a criação do partido já foram recolhidas e nos próximos dias, o partido se dedicará a checagem de cada ficha.

Dia 15:  Ex-ministro Padilha é hostilizado por clientes em restaurante de luxo; assista

Marina Silva, que concorreu à Presidência pelo PSB e apoiou Aécio Neves no segundo turno, (Arquivo)
Facebook/Marina Silva
Marina Silva, que concorreu à Presidência pelo PSB e apoiou Aécio Neves no segundo turno, (Arquivo)

Cenário: Relator da reforma política desiste de ampliar mandato de senadores

Os integrantes da Rede ainda preferem não falar sobre a possível candidatura de Marina Silva em 2018. “Vamos primeiro focar nas eleições municipais”. Para criar o novo partido, os diretores utilizarão o mesmo processo aberto em 2013 e negado pelo Tribunal Superior Eleitoral pelo número insuficiente de assinaturas.

“O acordão é muito claro. Quando foi feito primeiro julgamento, o documento diz claramente que o processo estava tranquilo, correto, apenas faltava o número suficiente de fichas”, explica Ivo, um dos integrantes da direção da sigla.

Ex-ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Sepúlveda Pertence é responsável pela defesa do partido. Além de pedir a reabertura do processo à Justiça Eleitoral, o partido também já prepara a “saída” do PSB, sigla que abrigou Marina Silva e levou sua candidatura após a morte de Eduardo Campos durante a campanha presidencial. “Não será bem uma saída, até porque não houve uma entrada”, diz ele.

Moro:  Juiz fixa fiança de R$ 500 mil para soltar investigado na Operação Lava Jato

Os dirigentes ainda esperam poder realizar uma série de convenções estaduais em junho e julho deste ano e o congresso nacional da legenda em setembro. “Queremos estar com tudo preparado para que seis meses antes das eleições tenhamos condições de ter nossos candidatos já filiados. Vamos começar pequenos, priorizando as eleições para vereador e, quem sabe prefeitos”, explicou.

Em relação a criação dos diretórios municipais, os dirigentes acreditam que não será possível essa formação até as eleições. No entanto, no entendimento da legenda, isso não influenciará para o lançamento de candidaturas nos municípios.

No Congresso, a Rede espera de início atrair alguns deputados e trabalha com a possibilidade de trazer para seus quadros pelo menos dois senadores: Randolfe Rodrigues (PSOL-AC) e Reguffe (PDT-DF). Além disso, também devem integrar a legenda a ex-senadora e hoje vereadora de Maceió, Heloisa Helena (PSOL) e, no Rio de Janeiro, Jefferson Moura (PSOL).

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.