Relator da reforma política desiste de ampliar mandato de senadores

Por Agência Brasil | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Deputado Marcelo Castro (PMDB-PI) propunha aumentar para cinco anos período de mandato para todos os cargos eletivos

Agência Brasil

O relator da reforma política na comissão especial da Câmara, deputado Marcelo Castro (PMDB-PI), desistiu de aumentar o mandato dos senadores dos oito anos atuais para dez anos, nesta sexta-feira (15).

O relator da reforma política na comissão especial da Câmara dos Deputados, Marcelo Castro
Facebook/Reprodução
O relator da reforma política na comissão especial da Câmara dos Deputados, Marcelo Castro

Inicialmente, no relatório apresentado na terça-feira (12) à comissão, Castro havia proposto mandato de cinco anos para todos os cargos eletivos, de vereador a presidente da Republica. Ele voltou a esse prazo no seu texto.

O relator justificou a mudança para dez anos com o argumento de que não queria dificultar a votação da reforma política. “Fui acusado de que estava sendo intransigente e de que o Senado não iria aceitar o mandato de cinco anos”, disse Castro.

Leia mais:
Reforma política: comissão especial da Câmara apresenta parecer

Devido às pressões e críticas que recebeu de quinta para sexta-feira por ter mudado seu parecer para aumentar o mandato dos senadores para dez anos, Marcelo Castro recuou e manteve a proposta original, com o mandato de cinco anos para todos os cargos eletivos.

“Foram tantas pancadas de ontem para hoje, todo mundo me crucificando. Então, por que eu vou pagar um preço por uma coisa que eu acho errada? Acho que o mandato deveria ser igual para todo mundo. Cinco anos é um mandato absolutamente razoável para todos os níveis”, disse o relator da reforma política. “Se os senadores querem [dez anos] que eles proponham. Eu não quero esse desgaste para mim”, acrescentou. 

Até o presidente da Câmara, deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), chegou a afirmar que a Câmara deveria deixar que o Senado cuidasse da decisão sobre o tamanho do mandato dos senadores. Cunha informou que irá se dedicar na próxima semana à articulação em torno da proposta de reforma política para buscar algum consenso para que a matéria possa ser aprovada na Câmara.

Leia também:
Assembleia paulista fará evento para debater reforma política
Comissão ouvirá Temer e presidentes de partidos sobre reforma política
Renan diz que faltou "protagonismo do PT" para aprovar reforma política em 2014

A votação do parecer do deputado Marcelo Castro, que deveria ter começado ontem (14) na comissão especial, em função do pedido de vista coletivo do parecer, foi transferida para terça-feira da próxima semana. A promessa do presidente da Câmara é iniciar a votação da reforma política no plenário da Casa no próximo dia 26 de maio.

Leia tudo sobre: reforma políticasenado

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas