Inquérito contra deputado federal e senador do Partido Progressista foram repassados ao ministro

Agência Brasil

Um dos inquéritos abertos pelo Supremo Tribunal Federal (STF) para investigar parlamentares citados na Operação Lava Jato  foi redistribuído para o ministro Marco Aurélio Mello. Com a mudança, o inquérito contra o deputado federal Arthur Lira (PP-AL) e o senador Benedito de Lira (PP-AL) sai da relatoria do ministro Teori Zavascki.

Ministro Marco Aurélio Mello recebeu inquéritos contra dois parlamentares do PP
Nelson Jr./ASICS/TSE – 09.05.2013
Ministro Marco Aurélio Mello recebeu inquéritos contra dois parlamentares do PP

Leia mais: 

Lava Jato: confira a lista de políticos envolvidos em escândalo

Desde 2012, Marco Aurélio conduz uma investigação contra o deputado Artur Lira. O processo envolve a prisão de um servidor da Câmara dos Deputados, em 2012. Ele tentou embarcar de São Paulo para Brasília com uma mala de dinheiro, utilizando passagens compradas pelo deputado.

O ministro Teori Zavascki continua como relator dos demais inquéritos da Operação Lava Jato no Supremo.

Renan critica PGR e pede a Zavascki acesso a pedido de inquéritos da Lava Jato

Indiciamentos

A Polícia Federal (PF) indiciou nesta segunda-feira (11) 30 investigados na décima primeira fase da Operação Lava jato, deflagrada mês passado, pelos crimes de corrupção, lavagem de dinheiro,organização criminosa e fraude em licitações. Entre os acusados, estão três ex-parlamentares, que estão presos em Curitiba, na Superintendência da PF.

Ex-vice-presidente da Câmara, o ex-deputado federal André Vargas foi um dos agentes políticos presos na Lava Jato
GERALDO BUBNIAK
Ex-vice-presidente da Câmara, o ex-deputado federal André Vargas foi um dos agentes políticos presos na Lava Jato

Em abril, a PF prendeu os ex-deputados federais André Vargas (sem partido-PR), Luiz Argôlo (SD-BA) e Pedro Corrêa (PP-PE), condenado na Ação Penal 470, o processo do mensalão. Nessa fase da operação, a Polícia Federal investiga suposto de esquema de fraudes em contratos de publicidade do Ministério da Saúde e da Caixa Econômica Federal com a agência Borghi/Lowe. 

O Ministério nega qualquer irregularidade nos contratos. A Caixa disse que abriu  investigação para apurar os fatos.


Relembre os políticos citados na Operação Lava Jato


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.