Audiência pública debate projeto da terceirização no Senado nesta quinta-feira

Por Agência Senado |

compartilhe

Tamanho do texto

Comissão de Direitos Humanos do Senado discute projeto que foi aprovado em votação apertada na Câmara dos Deputados

Agência Senado

A Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa (CDH) do Senado Federal realiza na próxima quinta-feira (14) audiência pública para debater o projeto de lei da Câmara que regulamenta e expande os contratos de terceirização no país. 

Leia mais: Veja como a lei da terceirização vai mudar a vida do trabalhador

O evento, marcado para as 9h no auditório Petrônio Portella, terá como convidados o ministro do Trabalho e Emprego, Manoel Dias; o procurador-geral do Trabalho, Luis Antonio Camargo de Melo; o presidente da Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho (Anamatra), além do presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT), Vagner Freitas de Moraes, entre outros. Os debatedores vão apresentar sua posição sobre o tema “Terceirização: A revogação da lei Áurea e trabalho escravo”.

Renan Calheiros entrou em rota de colisão com o presidente da Câmara, Eduardo Cunha, devido à tramitação do texto que regulamenta a terceirização
Câmara dos Deputados/Gustavo Lima
Renan Calheiros entrou em rota de colisão com o presidente da Câmara, Eduardo Cunha, devido à tramitação do texto que regulamenta a terceirização

O PLC 30/2015 (ou PL 4330/2004, na Casa de origem) também será debatido em sessão temática no Plenário, a ser realizada no dia 19. Já aprovada pelos deputados, a proposta aguarda a designação de relator na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ). O texto também foi encaminhado para exame da Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) e da Comissão de Assuntos Sociais (CAS).

A tramitação da matéria opôs os presidentes do Senado, Renan Calheiros, e da Câmara, Eduardo Cunha, ambos do PMDB. Calheiros garantiu que a votação não seria feita às pressas enquanto Cunha ameaçou engavetar projetos oriundos do Senado.  

Leia também: Renan sobre terceirização: "Não vamos permitir pedaladas contra o trabalhador"

Votação polêmica

Aprovado na Câmara após muita polêmica, o projeto regulamenta o trabalho terceirizado no setor privado, cria regras de sindicalização dos terceirizados e prevê a responsabilidade solidária da empresa contratante e da contratada nas obrigações trabalhistas.

Presidente da Câmara, Eduardo Cunha articulou a aprovação do PL da terceirização contra o governo e parte das centrais sindicais
REPRODUÇÃO/AGÊNCIA BRASIL
Presidente da Câmara, Eduardo Cunha articulou a aprovação do PL da terceirização contra o governo e parte das centrais sindicais

Leia também:

Aprovada mudança na terceirização; veja quem foram os protagonistas da votação

Durante sua votação, os deputados aprovaram emenda que permite a terceirização das atividades-fim das empresas do setor privado e que alterou diversos pontos do texto-base da proposta. De autoria do PMDB e do Solidariedade, a emenda foi aprovada por 230 votos a 203. O texto não usa os termos atividade-fim ou atividade-meio, mas permite a terceirização de qualquer setor de uma empresa.

A emenda também ampliou os tipos de empresas que podem atuar como terceirizadas, abrindo a oferta às associações, às fundações e às empresas individuais (de uma pessoa só). O produtor rural pessoa física e o profissional liberal poderão figurar como contratante.

Leia mais:

Projeto de lei a favor da terceirização gera racha entre centrais sindicais

Outra mudança em relação ao texto-base é a diminuição, de 24 para 12 meses, do período de quarentena que ex-empregados da contratante têm de cumprir para poder firmar contrato com ela se forem donos ou sócios de empresa de terceirização. Os aposentados não precisarão cumprir prazo.

A quarentena procura evitar a contratação de ex-empregados por meio de empresas individuais. Já a subcontratação por parte da contratada (“quarteirização”) somente poderá ocorrer quando se tratar de serviços técnicos especializados.

A terceirização da atividade-fim é condenada pelos sindicalistas com o argumento de que fragilizará a organização dos trabalhadores e, consequentemente, sua força de negociação com as empresas. Já os empresários argumentam que essa sistemática de contratação trará mais agilidade e redução de custos para a contratante, com efeitos na economia.

Deputados protestam com réplica de carteira de trabalho durante sessão na Câmara sobre terceirização
Gustavo Lima/Câmara dos Deputados
Deputados protestam com réplica de carteira de trabalho durante sessão na Câmara sobre terceirização


Regulamentação

Em entrevista no último dia 7, o presidente do Senado, Renan Calheiros, afirmou que o projeto será debatido detalhadamente no Senado, e que a proposição não será votada de forma apressada.

"É evidente que o assunto divide opiniões. Nosso propósito é contribuir com a regulamentação, mas colocaram coisas demais, virou um "liberou geral" em relação à regulamentação da atividade-fim. E aí o resultado é a precarização do trabalho, a diminuição dos salários. Temos que respeitar a velha senhora, que é a Consolidação das Leis de Trabalho (CLT). Não dá para concordar com um novo modelo de desenvolvimento econômico do país baseado na retirada de direitos trabalhistas", advertiu Calheiros.

Na avaliação do senador Paulo Paim (PT-RS), a regulamentação de contratos terceirizados na atividade-fim das empresas precisa ser discutido com muito cuidado e sem pressa no Senado. Em pronunciamento no Plenário no dia 5, ele afirmou que o Senado precisa alterar ou até mesmo fazer um novo projeto substitutivo, regulamentando os 12 milhões de trabalhadores terceirizados.

"O caminho mais correto, adequado para aqueles que querem efetivamente regulamentar a terceirização e não retirar direitos dos trabalhadores é construir um projeto apoiado por todos os líderes", afirmou.

Para o senador Marcelo Crivella (PRB-RJ), que se manifestou contrário à terceirização de atividade-fim, o projeto torna precárias as relações de trabalho e retira direitos dos trabalhadores conquistados com muita luta. Ele avaliou que, na forma como foi aprovada na Câmara, a proposta fará com que a terceirização alcance o setor público, o que representaria um ataque frontal à Constituição, que diz que o acesso ao emprego público deve ser feito via concurso.

"Agora, podendo terceirizar a atividade-fim e alcançando as agências reguladoras, as fundações e as empresas de economia mista, nós poderemos ter talvez 80% dos funcionários do Banco do Brasil ou de outras empresas semelhantes, terceirizados. Isso fere a Constituição", afirmou.

Em visita a Renan no dia 28 de abril, o presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Robson de Andrade, garantiu que o projeto da terceirização é importante não apenas para o setor que ele representa, mas para a economia como um todo. Segundo ele, mais de 12 milhões de trabalhadores aguardam pela regulamentação do trabalho terceirizado.

"Estamos dispostos a negociar, mas pedimos ao senador [Renan] que a proposta seja votada. Ele entendeu os nossos argumentos e estamos marcando uma reunião mais técnica para apresentarmos a proposta", revelou o presidente da CNI.

Leia tudo sobre: SenadoterceirizaçãoRenan CalheirosEduardo CunhaPMDB

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas