Por orientação dos advogados, acusados não responderam a qualquer pergunta do juiz Sérgio Moro. Magistrado decretou prazo para que investigados apresentem alegações finais

Agência Brasil

Cinco executivos da empreiteira OAS investigados na Operação Lava Jato ficaram em silêncio nesta sexta-feira (8), durante interrogatório conduzido pelo juiz federal Sérgio Moro, em Curitiba.

Sérgio Moro, juiz da Operação Lava Jato
Fabio Rodrigues Pozzebom/ Agência Brasil
Sérgio Moro, juiz da Operação Lava Jato

Por orientação dos advogados, os acusados não responderam a qualquer pergunta do magistrado. Diante da situação, Moro decretou prazo de dez dias para que os investigados e o Ministério Público Federal (MPF) apresentem as alegações finais, última fase antes da sentença.

Na audiência estiveram presentes José Ricardo Nogueira Breghirolli, Agenor Franklin, Mateus Coutinho e José Aldemário Filho – que, na semana passada, foram autorizados a cumprir prisão domiciliar, por decisão da Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) –, além de Fernando Augusto Stremel Andrade e João Alberto Lazzari.

De acordo com as investigações, todos os envolvidos são acusados de pagar propina para obter contratos com a Petrobras.

Leia também:

Juiz da Lava Jato pede esclarecimentos sobre depósito à defesa de Vaccari Neto

Lava Jato: Supremo Tribunal Federal mantém prisão de Renato Duque

Segundo o Código de Processo Penal (CPP), o investigado tem direito de permanecer calado, sem prejuízo da defesa, que, posteriormente, deverá ser feita por escrito.

Na semana que vem, a Justiça Federal em Curitiba deve tomar depoimentos dos investigados ligados à empreiteira Mendes Júnior, do ex-diretor da Área Internacional da Petrobras Nestor Cerveró e do empresário Fernando Soares, conhecido com Fernando Baiano, acusado de intermediar pagamento de propina.


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.