Com foco no PMDB, Planalto destrava nomeações no segundo e terceiro escalões

Por Luciana Lima - iG Brasília |

compartilhe

Tamanho do texto

Nesta semana, governo deverá enviar ao Senado a mensagem da presidente Dilma Rousseff com os nomes escolhidos para presidir a ANTT, ANA e Anatel

Quatro meses depois do início do segundo mandato e na semana de maior embate no Congresso pela aprovação do ajuste fiscal, o governo pretende finalizar as indicações para os cargos mais cobiçados de segundo e terceiro escalões. 

Os nomes já estão sob análise da área jurídica da Casa Civil e a previsão é de que sejam enviados até sexta-feira (8), ao Senado, os indicados para dirigir agências reguladoras como a Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), Agência Nacional das Águas (ANA) e a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel). 

Leia mais:

“Temer é leal ao nosso projeto e à presidente Dilma”, diz Mercadante

Desgastado, Pepe deve entregar o cargo ainda nesta terça-feira

Pepe Vargas é demitido e Secretaria de Relações Institucionais fica com Temer

No geral, o governo tem 22,6 mil cargos nas estatais. Alvo de cobiça de todos os aliados, 4,8 mil cargos tem salários mais altos e são indicados por critérios políticos. 

O grande contemplado com o novo desenho será o PMDB. Após tomar o controle da articulação política do governo, o partido já emplacou vários nomes na direção. O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), por exemplo, emplacou indicado seus na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), com a escolha de Fernando Mendes e conseguiu reconduzir o atual diretor-geral da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), Jorge Luiz Macedo Bastos. 

Além de Fernando Mendes, Dilma também indicou para a Anvisa, Jarbas Barbosa da Silva Júnior. Os nomes, no entanto, precisam ser apreciados pelos senadores. 

Pressão 

Renan, no entanto, deu sinais de que quer mais, ao se mostrar indócil com a presidente Dilma no final da semana passada. 

Segundo colegas de partido, o presidente do Senado ainda alimenta o desejo de voltar a controlar a Transpetro, subsidiária da Petrobras que Renan perdeu o controle com a saída de Sérgio Machado da direção da empresa, no ano passado, devido a envolvimento com o esquema de corrupção investigado pela Operação Lava Jato. 

Embora negue o desejo, segundo colegas de partido, Renan quer colocar na direção da empresa o ex-ministro do Turismo Vinícius Lages, seu apadrinhado político, desbancado da pasta pelo ex-presidente da Câmara Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN). A articulação para colocar Alves no Turismo contou com a participação do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ). 

Negociações 

A liberação dos cargos de segundo e terceiro escalões só desmanchou após Temer assumir o controle da articulação política, retirando a negociação das mãos do ministro da Casa Civil, Aloizio Mercadante. 

O chefe da Casa Civil é acusado pelos peemedebistas de represar as definições. Mercadante passou a se ocupar mais da parte administrativa do governo, atribuição real de sua pasta, e menos da relação com os aliados, como ocorria no início do segundo mandato. 

As conversas, passaram a ser realizadas por Temer, pelo atual ministro da Aviação Civil, Eliseu Padilha e, do lado do PT, pelo ministro da Defesa, Jaques Wagner. 

O PMDB conseguiu também emplacar a direção do Banco do Nordeste (BNB) com a oficialização do economista Marcos Holanda, ligado ao líder do PMDB no Senado, Eunício de Oliveira (CE). Holanda foi coordenador da campanha de Eunício ao governo do Ceará no ano passado. Eunício, no entanto, perdeu a disputa para o petista Camilo Santana. No BNB, Holanda vai substituir Nelson de Souza, ligado ao PT. 

A direção de Furnas, hoje presidida por Flavio Decat de Moura, apadrinhado do ex-senador José Sarney (PMDB-MA) ainda é uma incógnita. 

Além da indicação de Alves para o Turismo, Eduardo Cunha emplacou um aliado em secretarias subordinadas a pastas já comandadas pelo PMDB. Um dos cargos a ser preenchido nos próximos dias será o do ex-deputado Júnior Coimbra (PMDB-TO) na Secretaria Nacional de Infraestrutura Turística, do Ministério do Turismo. 

Coimbra, que perdeu as últimas eleições, acabou cobrando a fatura por ter apoiado Cunha em sua campanha à Presidência da Câmara no ano passado. Ele acabou levando o cargo depois de ter conseguido assinaturas de mais de sessenta deputados em apoio ao seu nome, uma lista que entregou ao líder do PMDB, Leonardo Picciani (RJ) e ao próprio presidente da Câmara.

Conheça os ministros de Dilma  

Dilma posa ao lado dos 39 ministros de Estado. Foto: Roberto Stuckert Filho/Presidência da RepúblicaGilberto Occhi sai do Ministério das Cidades e vai para Integração Nacional. Foto: Bernardo Rebello/ Imprensa Caixa Economica FederalEx-prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab será novo Ministro das Cidades. Foto: Alexandra Martins/Câmara dos DeputadosAntônio Carlos Rodrigues (azul) assumirá a pasta de Transportes. Foto: DivulgaçãoNelson Barbosa assumirá Planejamento a partir de 2015. Foto: Wilson Dias/Agência BrasilManoel Dias, continua no Ministério do Trabalho. Foto: Agencia Brasil/reproduçãoEx-ministro do Lula, Juca Ferreira volta para Ministério da Cultura em novo mandato de Dilma. Foto: Agência BrasilIndicado para Controladoria Geral da União, Valdir Simão foi presidente do INSS e secretário-executivo do Turismo. Foto: DivulgaçãoThomas Traumman foi escolhido como ministro da Comunicação Social. Foto: Agência BrasilJosé Elito Siqueira responderá pelo Gabinete de Segurança Institucional. Foto: DivulgaçãoMinistra Izabela Teixeira permanece a frente do Ministério do Meio Ambiente. Foto: DivulgaçãoCarlos Gabas vai substituir Garibaldi Alves no Ministério da Previdência. Foto: DivulgaçãoHelder Barbalho é o novo ministro da Pesca. Foto: Agencia Brasil/reproduçãoPrimeira negra a chefiar universidade federal, Nilma Lino Gomes assume Secretaria de  de Política de Promoção da Igualdade Racial. Foto: Agencia Brasil/reproduçãoJaques Wagner será novo ministro da Defesa. Foto: Agência BrasilVinicius Lages continua no comando do Ministério do Turismo. Foto: Alan Sampaio / iG BrasíliaKatia Abreu é nova ministra da Agricultura. Foto: Agência BrasilEx-ministro de FHC, Deputado Eliseu Padilha substituirá Moreira Franco na Aviação Civil. Foto: DivulgaçãoSenador Eduardo Braga vira ministro de Minas e Energia. Foto: Ricardo Stuckert/PRDeputado Edinho Araújo foi nomeado novo ministro da Secretaria Nacional de Portos. Foto: Agência CâmaraCid Gomes será novo ministro da Educação. Foto: Agência BrasilDerrotado nas últimas eleições, Armando Monteiro ganhou o Ministério do Desenvolvimento, indústria e Comércio Exterior. Foto: REUTERS/Ueslei Marcelino George Hilton será novo ministro dos Esportes, no lugar de Aldo Rebelo. Foto:  Aldo Rebelo sai do Ministério dos Esportes para assumir a pasta de Ciência,Tecnologia e Inovação. Foto: Roosewelt Pinheiro/ABrAlexandre Tombini permaneceu como presidente do Banco Central. Foto: Wilson Dias/Agência BrasilJoaquim Levy assumirá Fazenda em 2015. Foto: Wilson Dias/Agência BrasilEx-chefe da SRI, Ricardo Berzoini (PT-SP), passará a comandar o Ministério das Comunicações. Foto: Allan Sampaio/iG Brasília Deputado federal Pepe Vargas (PT-RS), que comandou o MDA durante o primeiro mandato de Dilma, passará a ocupar a Secretaria de Relações Institucionais (SRI). Foto: Agência BrasilMiguel Rossetto foi confirmado na Secretaria Geral da Presidência da República. Foto: Fotos PúblicasDilma anunciou o petista Patrus Ananias (MG) para o Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA). Foto: Denise MottaArthur Chioro continua no Ministério da Saúde. Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom /Arquivo Agência BrasilEmbaixador Mauro Vieira será o ministro das Relações Exteriores. Foto: Wilson Dias/Agência BrasilEleonora Menicucci foi mantida da Secretaria de Políticas para Mulheres pela presidente Dilma Rousseff. Foto: Alan Sampaio / iG BrasíliaGuilherme Afif Domingos permanece na Secretaria de Micro e Pequena Empresa. Foto: Divulgação/Assembleia de São PauloNa Esplanada desde 2011, José Eduardo Cardozo permanece no Ministério da Justiça. Foto: Agência BrasilIdeli Salvatti continua na Secretaria de Direitos Humanos. Foto: Alan Sampaio / iG BrasíliaTereza Campello permance a frente do Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Foto: Alan Sampaio / iG BrasíliaDilma mantém Aloizio Mercadante como ministro chefe da Casa Civil. Foto: DivulgaçãoMarcelo Neri continua à frente da Secretaria de Assuntos Estratégicos. Foto: ReproduçãoLuís Inácio Adams fica no comando da AGU no novo governo Dilma. Foto: Alan Sampaio / iG Brasília


Leia tudo sobre: PMDBterceiroescalãoplanalto

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas