Organizada por grupos defensores do impeachment de Dilma, manifestação repetiu gestos que já tinham sido observados no País no discurso da presidente do Dia da Mulher, em março

Em mais um gesto para demonstrar o descontentamento com o governo Dilma Rousseff, um grande panelaço foi feito em diversas regiões do Brasil ao longo da exibição da propaganda política do Partido dos Trabalhadores em rede nacional, na noite desta terça-feira (5). O ato foi uma repetição do ocorrido durante o pronunciamento da presidente do Dia da Mulher, em 8 de março.

Veja o panelaço no Itaim Bibi, em São Paulo:

Em São Paulo, o barulho das panelas nas residências e das buzinas dos automóveis nas ruas praticamente atrapalhou a vida de quem pretendia assistir à televisão ao longo dos dez minutos de programa em alguns bairros, especialmente áreas nobres, como Jardins, Vila Beatriz, Santa Cecília, Barra Funda, Pompeia, Vila Olímpia, Aclimação, Perdizes, Itaim Bibi, Praça da Árvore, Chácara Klabin, Vila Mariana, Bela Vista, Brooklin, Mooca, Pacaembu, Parada Inglesa e Vila Madalena. 

Leia mais:
Panelaço recebe o programa do PT na Bahia
Elite deve acender vela e agradecer meu trabalho e de Dilma no governo, diz Lula

No bairro do Itaim Bibi, por exemplo, os protestos começaram tímidos, mas ganharam força quando o ex-presidente falou. Nos prédios, as luzes piscaram e o barulho foi intenso, tomando conta das ruas com diversos carros buzinando sem parar e alguns gritos isolados de "fora PT". Em um dos metros quadrados mais caros da capital paulista o panelaço só foi encerrado quando a propaganda do Partido dos Trabalhadores acabou. 

Veja vídeo do panelaço na Pompeia:

Em Brasília, nas regiões onde estão muitos apartamentos de funcionários públicos, como a Asa Norte, o panelaço foi intenso. As pessoas foram para as janelas e gritaram "Fora Dilma", "Fora Lula", "Fora corruptos" e "Fora PT". Outros que circulavam pelas super-quadras fizeram buzinaço e gritavam "só tem bandido na TV" durante o programa do PT. No Rio, também houve manifestações em regiões de maior poder aquisitivo e de classe média alta, assim como no interior de Santa Catarina.

O ato foi organizado nas redes sociais pelos principais grupos que lutam pelo impeachment da presidente da República, responsáveis pela realização dos grandes protestos realizados na capital paulista nos últimos dias 15 de março e 12 de abril. Apesar de inicialmente tímida, com poucos compartilhamentos de internautas e políticos da oposição na última semana, a divulgação ganhou força horas antes do programa do partido da presidente, na manhã desta terça-feira.

Veja vídeo do panelaço em Brasília:

Mais midiático entre os movimentos anti-Dilma, o Vem Pra Rua convocou o buzinaço com uma frase do colunista Reinaldo Azevedo, admirado entre os direitistas do País, que escreve na "Veja" e na "Folha de S. Paulo". "O PT vai dizer que todas as pessoas que forem condenadas ao fim do processo judicial serão expulsas. José Dirceu, José Genoino e Delúbio Soares foram condenados no processo do mensalão e continuam no PT", postou, em referência à frase que de fato foi bradada pelo partido no programa.

Convocação parecida fizeram os outros movimentos, alguns parte da chamada Aliança dos Movimentos, composta por duas dezenas de grupos anti-Dilma, e outros independentes, caso dos co-protagonistas dos grandes atos em prol do impeachment no País, como o Movimento Brasil Livre e o Revoltados Online.

Veja vídeo do panelaço na Vila Olímpia:

"Este panelaço é mais uma demonstração clara de que a Dilma e o PT não têm mais margem de manobra, não têm mais para onde correr. É o repúdio pelo repúdio", avalia ao iG Renan Santos, coordenador nacional do Movimento Brasil Livre, grupo que atualmente faz passeata em direção a Brasília para protestar contra a presidente. "O panelaço demonstra que eles estão encurralados. Não há saída para o Partido dos Trabalhadores, a Dilma não pode mais sair na rua em nenhum Estado da federação que vai levar vaia, panelada. É um cenário muito triste para a presidente."

Leia também:
Dilma tenta recuperar imagem com concessões na área de infraestrutura
Para Lula, PL da terceirização é retrocesso pré-Getúlio Vargas

Fundador do Revoltados Online, Marcello Reis diz que um ponto ainda mais importante da demonstração de desgosto contra o governo petista é conscientizar a população em relação aos problemas do País. Assim como os outros movimentos envolvidos, ele promete continuar incentivando ações do tipo sempre que alguma fala do PT ou de Dilma for televisionada, "até a a presidente cair".

"No dia a dia, as pessoas ficam sempre distantes da política, não percebem as coisas. Assim, fazer esse barulho durante um pronunciamento, uma propaganda partidária, é importante para que elas lembrem que também fazem parte disso", diz Reis. "É fundamental para despertar essa curiosidade."

"PT nasceu para mudar o Brasil"
Apesar do barulho feito por milhares espalhados pelo Brasil, foram os favoráveis à permanência da presidente no poder que conseguiram emplacar sua bandeira nos trending topics do Twitter não foram os anti-Dilma, com a hashtag #ToNaLutaPeloBrasil.

Quem conseguiu ouvir alguma coisa falada no programa ao longo de seus dez minutos de duração, viu uma propaganda partidária defendendo as conquistas do PT em seus 12 anos de poder, protagonizada em boa parte pelo ex-presidente da República Luís Inácio Lula da Silva. Naturalmente, o momento de sua fala, na qual atacou o projeto de lei que regulariza a terceirização do trabalho (aprovado pela Câmara dos Deputados), foi o mais marcado pelo barulho das panelas. 

Assim como se viu nas comemorações do 1º de Maio, Lula atacou as mudanças nas regras da terceirização. "Tudo o que os trabalhadores têm hoje foi conquistado. Por isso, não podemos permitir que essa história vá para trás. O projeto da terceirização faz o Brasil voltar ao tempo em que o trabalhador era um cidadão de terceira classe. E isso nós nao vamos permitir", disse Lula. "O PT nasceu para mudar o Brasil, para garantir o direito e a dignidade de quem constrói este País."

Com notória pressa em se posicionar a respeito, o principal opositor do PT, o PSDB, emitiu nota à imprensa sobre o programa partidário antes mesmo de ele ir ao ar. Sempre com o verbo no pretérito, a legenda criticou o fato de Dilma não ter aparecido na propaganda, "como se o partido não tivesse também a total responsabilidade pelos atos praticados pelo governo nos últimos 12 anos e que trouxeram o País e as famílias brasileiras à grave crise hoje enfrentada pela população".

"Os dez minutos de propaganda política do PT utilizaram a mesma estética e o mesmo discurso da campanha eleitoral mais desonesta da história. Mas os brasileiros, que já foram vítimas de um estelionato eleitoral sem precedentes, não vão se deixar enganar novamente", resume o documento. Candidato tucano à presidência da República no ano passado, Aécio Neves também se pronunciou sobre a corrupção após o programa, na Tribuna do Senado. 

Veja em 100 imagens como foi a manifestação contra o governo de 12 de abril:


* David Shalom, c om Gabriela Dobner, Bruno Martinolli, Carolina Garcia, Luciana Lima (Brasília), Bia Sant'Anna, Leoleli Camargo Schwartz e Vitor Sorano

    Leia tudo sobre: impeachment
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.