CPI recebe cartilha de tatuagens utilizada pela polícia baiana

Por Luciana Lima - iG Brasília |

compartilhe

Tamanho do texto

Manual que aponta tatuagens que seriam próprias de bandidos foi editado na administração do atual ministro da Defesa, Jaques Wagner

Tatuagens de gnomos significam usuário de drogas, desenhos de palhaços identificam ladrões. Ter Nossa Senhora Aparecida tatuada nas costas denuncia um estuprador. Se for na perna, um latrocínio. Todas essas indicações constam em uma cartilha, editada em 2012 pelo governo da Bahia e distribuída aos policiais militares como orientação de trabalho.

Leia também:

"Reduzir a maioridade é ampliar a barbárie do sistema prisional", diz ministra

PM baiano desvenda significados de tatuagens no mundo do crime

Oposição propõe CPI para investigar aplicação de recursos dos fundos de pensão

A cartilha foi apresentada à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Câmara dos Deputados, destinada a apurar o genocídio de jovens negros no Brasil, durante a reunião destinada a ouvir familiares de 12 mortos na chacina ocorrida no início deste ano no bairro Cabula, na periferia de Salvador, em uma ação da polícia militar da Bahia.

A cúpula da CPI tem sido criticada por resistir em convocar autoridades tanto da esfera federal, como dos estados, para prestar esclarecimentos sobre as práticas implementadas na área de segurança pública.

Durante a parte da reunião destinada a ouvir familiares de vítimas de violência no Cabula, o coordenador da organização Reaja ou Será Morto, Hamilton Borges, apresentou uma cartilha que foi editada durante a gestão do atual ministro da Defesa, Jaques Wagner (PT).

O manual lista uma séria de tatuagens que seriam “próprias de bandidos” e que deveriam servir de sinais para as investigações policiais.

Este manual, elaborado por um integrante da polícia baiana, foi publicado Secretaria de Segurança e distribuído aos demais policiais militares da Bahia.

Veja as tatuagens:

Essas tatuagens estão relacionadas a presos que cometeram violência sexual. Foto: Capitão AldenO personagem de desenhos animados Taz é usado por pessoas que praticam arrastões. Foto: Capitão AldenO santo São Sebastião indica que o preso é homossexual passivo, segundo PM. Foto: Capitão AldenJá São Jorge indica que o preso é adepto dos orixás e tem o corpo fechado para maus olhados. Foto: Capitão AldenEsses desenhos são feitos por quem é responsável pela produção das drogas. Foto: Capitão AldenOs presos que possuem esse tipo de tatuagem provavelmente praticaram grandes roubos em quadrilhas. Foto: Capitão AldenPontos na mão indicam a hierarquia que o criminoso está na facção. Foto: Capitão AldenUma bela índia pode indicar um assassino sangue-frio e provavelmente um matador de policiais. Foto: Capitão AldenO desenho infantil pode indicar que o preso é especialista em furtos. Foto: Capitão AldenA tatuagem da morte pode indicar que o preso esteve envolvido em grupos de extermínios. Foto: Capitão AldenJá o boneco assassino Chucky pode indicar que o preso é matador de policiais. Foto: Capitão AldenEsse tipo de tatuagem indica que o preso pertence à máfia Russa. Foto: Capitão AldenUm mago tatuado pode indicar que o preso possui grandes habilidades de roubo ou na utilização de armas. Foto: Capitão AldenEssa pode indicar que o preso é traficante. Foto: Capitão AldenA tatuagem pode indicar que desde criança o preso está no mundo do crime. Foto: Capitão AldenEssas tatuagens também podem indicar homicídio. Foto: Capitão AldenEste tipo de tatuagem geralmente significa que o preso fez diversos homicídios. Foto: Capitão AldenPortadores destas tatuagens são possivelmente produtores de drogas, responsáveis pelo refino, empacotamento e controle de qualidade. Foto: Capitão AldenA cruz pode indicar que o indivíduo é um skinhead. Foto: Capitão AldenTatuagens do peixe carpa pode indicar formação de quadrilha e tráfico de drogas. Foto: Capitão AldenTatuagem de Fuzil pode indicar delito de grande vulto e assalto a mão armada. Foto: Capitão AldenA de aranha e teias pode indicar em qual posição na hierarquia do crime o preso está. Foto: Capitão AldenSímbolos de proteção e força. Foto: Capitão Alden

Entre as orientações contidas na cartilha estão a de que tatuagens de Nossa Senhora Aparecida, podem representar “latrocida, estuprador, ou mesmo fé/proteção”.

Outra orientação do manual aponta que maioria das tatuagens de palhaço indica ligação com roubo. “São extremamente perigosos. Portadores desta tatuagem demonstram frieza e desprezo pela própria vida”, orienta a cartilha.

Borges ainda indicou crimes cometidos por policiais com base em tatuagens das vítimas de símbolos de religiões de matrizes africanas, como um menino, morto na Bahia, devido a uma tatuagem de Oxossi na panturrilha. Esse tipo de tatuagem representaria matadores de policiais.

A deputada Benedita da Silva (PT-RJ) cobrou apuração por parte da comissão de práticas incentivadoras da violência policial cometidas pelos governantes.

 “Isso indica como é a formação de nossa polícia. Uma polícia que foi formada durante a ditadura, que teve uma formação para matar. O que se tem aqui é a tatuagem, mas nós sabemos que antigamente, se tinha um negão com uma calça boquinha ia preso. Se tinha um black power , ia preso. Se estava sem camisa, ia preso. Numa rua escura, dois negrões juntos, vão presos”, comentou a deputada.

A deputada ainda apontou a necessidade de chamar as autoridades responsáveis nos estados para falar sobre as orientações repassadas. “É preciso que aqui a gente relaxe para fazer com Justiça. Senão a gente vai ficar aqui em um debate entre nós. Um debate perverso. Isso aqui é o secretário de segurança que promoveu”, apontou, referindo-se à cartilha.

Clique aqui e veja a cartilha das tatuagens completa

Leia tudo sobre: tatuagenspresoscpijovens negrosprisão

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas