Ex-diretor da Petrobras teve aplicada pela comissão uma censura ética, deliberação que cria constrangimento para o caso de ele voltar a tentar ocupar algum cargo público

Agência Brasil

O ex-diretor da área internacional da estatal durante acareação realizada no Senado Federal
Pedro França/Agência Senado
O ex-diretor da área internacional da estatal durante acareação realizada no Senado Federal

A Comissão de Ética Pública da Presidência decidiu aplicar censura ética ao ex-diretor da área internacional da Petrobras, Nestor Cerveró, pela compra da Refinaria de Pasadena (EUA). A apuração objetivava analisar a “sonegação de dados relevantes” ao conselho de administração da empresa durante a aquisição da refinaria.

Leia mais:
Juiz autoriza tratamento psicológico para Cerveró na Polícia Federal

Sobre o processo que foi aberto para apurar a conduta ética do ex-ministro da Secretaria de Comunicação Social (Secom) Thomas Traumman devido ao vazamento de informações contidas em um documento interno do Palácio do Planalto, o colegiado decidiu solicitar esclarecimentos à Secom a respeito de “procedimentos internos questionados na denúncia”.

Veja os políticos acusados de irregularidades na Operação Lava Jato:

A censura ética foi aplicada porque Cerveró já não é mais funcionário da estatal, mas a deliberação cria um constrangimento para que o caso de ele voltar a ocupar cargos públicos. “Não tenho a menor dúvida de que é uma mancha no currículo […] para o resto da vida. Se ele fosse, por exemplo, bacharel em Direito, já não poderia ir para o Supremo Tribunal Federal, pois não teria a reputação ilibada”, disse o presidente da comissão, Américo Lacombe.

Leia também:
Juiz Sérgio Moro determina bloqueio de bens de Nestor Cerveró
Nestor Cerveró é preso pela PF em aeroporto do Rio de Janeiro

De acordo com Lacombe, o ex-ministro Thomas Traumann já prestou esclarecimentos sobre o processo aberto no caso da Secom: “Ele encaminhou uma parte, mas pedimos mais. Achamos que era insuficiente. Mas temos de respeitar o princípio da ampla defesa. Ele fez algumas afirmações lá e queremos a confirmação da Secom".

Ainda segundo o presidente, foi analisado e aceito o currículo de um novo nome para compor a Comissão de Ética. Lacombe evitou revelar, mas disse que a pessoa já aceitou o convite. Com isso, o colegiado vai contar com a composição completa, de sete integrantes.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.