Em reunião com lideranças do PSB, a candidata derrotada à Presidência confidencia que pretende ficar no partido

Marina Silva e Beto Albuquere (PSB-RS), seu vice na chapa que disputou a presidência
Vagner Campos/ MSILVA Online
Marina Silva e Beto Albuquere (PSB-RS), seu vice na chapa que disputou a presidência

Candidata derrotada nas eleições presidenciais de 2014, Marina Silva  fincou os dois pés no PSB . Sem a legitimidade da Rede Sustentabilidade , seu partido, que ainda precisa fechar a conta com 500 mil filiados para ser oficializado, Marina decidiu continuar na legenda de Márcio França (vice-governador de São Paulo) e do deputado federal Júlio Delgado (MG) até segunda ordem.

Na última quarta-feira (15), a ex-senadora se reuniu com lideranças do PSB (depois de um tour no Congresso, o primeiro feito por ela neste ano) e confidenciou que não vê problemas em continuar na legenda à qual se filiou para a disputa presidencial.

Leia também:

Dissidência da Rede  cria partido para tentar catalisar movimentos sociais

Marina esperava ter a aprovação da Rede até o fim de abril, o que até agora não se confirmou. "Rede e PSB são como irmão siameses. Enquanto a Rede é embalada, você é nossa companheira", teria dito no encontro um dos caciques do PSB.

Para o PSB, a permanência de Marina não é um problema por enquanto. Ao contrário. Se ficar, a ex-senadora pode trazer mais visibilidade ao partido. Mas um dos líderes do PSB avisa: "Marina não é nossa candidata em 2018".

*A jornalista viajou a convite do Lide

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.