Diretório Nacional do partido faz reunião nesta quinta-feira, em São Paulo, para debater saídas para a crise

Vaccari nega doações ilegais de fornecedores da Petrobras para campanha do PT
MARCELO CAMARGO/AGÊNCIA BRASIL
Vaccari nega doações ilegais de fornecedores da Petrobras para campanha do PT


Um dia depois do baque provocado pela prisão e pela consequente confirmação da saída de João Vaccari Neto da tesouraria do partido, o diretório nacional do Partido dos Trabalhadores se reúne nesta quinta-feira (16) em São Paulo para tentar reverter o clima de constrangimento gerado pelo episódio.

"Vamos fazer a nossa reunião que está agendada há tempos e preparar o nosso congresso em junho. Não tem nada novo", despistou o Secretário Nacional de Organização do PT, Florisvaldo Souza, na noite desta quarta-feira (15).

Leia mais:  PT afasta João Vaccari da tesouraria do partido

Juiz da Operação Lava Jato diz que prisão de Vaccari não é contra o PT

No entanto, claro está que dentro da estratégia de "dar a volta por cima" está a de oficializar um nome para substituir Vaccari, detido ontem em sua casa em São Paulo acusado de usar familiares para encobrir doações irregulares recebidas em forma de propina pelo PT. A sigla não retirará, no entanto, a solidariedade ao quadro "preso injustamente", segundo nota emitida nesta quarta-feira e que confirmou seu afastamento do cargo.

O nome, ainda colocado em suspense até o fechamento desta matéria, deve vir da Executiva Nacional, segundo Florisvaldo de Souza. "Nesse momento não dá para afirmar quem poderá assumir o cargo", admitiu.

Também não despontam concorrentes ao cargo por conta da responsabilidade do mesmo. Há o temor de que Vaccari tenha deixado mais problemas para seu sucessor resolver no capítulo doações eleitorais.

Conflito

No entanto, um conflito não está descartado já que integrantes da corrente Mensagem ao Partido, que detém 20% dos cargos na Executiva Nacional, devem renovar o pedido para que integrantes da sigla citados em irregularidades sejam imediatamente afastado de suas funções.

O alvo desta vez é o senador Humberto Costa (PT-PE), que é citado pela operação Lava Jato. A dificuldade de levar o projeto adiante passa pelo fato de que o pernambucano exercer a liderança do partido no Senado Federal e igualmente ter assento no Diretório Nacional.



    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.