Depoimento de Vaccari à CPI vira palco de guerra entre PT e PSDB

Por BBC | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

O depoimento do tesoureiro do PT acabou pouco depois das 17h30, foram mais de sete horas de duração

BBC

A fala do líder do PT na Câmara dos Deputados, Sibá Machado (AC), na manhã desta quinta-feira foi um prenúncio do que viria no depoimento do tesoureiro do seu partido, João Vaccari Neto, à CPI da Petrobras. "Querem show, o circo está armado. Se é guerra, vamos para a guerra."

A sessão - que, diante das negativas de Vaccari sobre as acusações, não trouxe informações relevantes para as investigações sobre desvios na Petrobras - virou palco de disputa política feroz entre os dois partidos que polarizaram as última eleições presidenciais.

Leia também:

Vaccari confirma que foi ao escritório de Youssef: "Mas ele não estava"

Aécio provoca PT: "Não recebemos em troca de superfaturamento de obras"

Vaccari nega doações ilegais de fornecedores da Petrobras para campanha do PT
MARCELO CAMARGO/AGÊNCIA BRASIL
Vaccari nega doações ilegais de fornecedores da Petrobras para campanha do PT


"O senhor tem tudo para ser preso, e o PT, extinto", atacou o líder do PSDB na Câmara, Carlos Sampaio (SP), ao final de uma intervenção exaltada contra o depoente.

Sibá Machado acusou o PSDB de estar promovendo uma campanha pela extinção do PT e usar a CPI para criar um "terceiro turno". Para o líder petista, "o objetivo central do PSDB é a cassação do registro do PT e saímos do foco da CPI para outra dimensão, o que é prejudicial para o equilíbrio democrático".

Ao questionar se Vaccari visitara o escritório do doleiro Alberto Youssef, acusado de distribuir para partidos políticos recursos desviados da Petrobras, Sampaio, líder do PSDB, repetidas vezes interrompeu a resposta do tesoureiro insistindo que ele fosse objetivo.

"Ninguém é moleque aqui. A resposta é sim ou não. Estou perdendo meu tempo", reclamou.

A deputada Maria do Rosário (PT-RS) interveio dizendo que o regimento que regula as comissões garantia ao depoente tempo para responder com o tempo que fosse necessário.

Vaccari repetiu, então, que esteve no escritório a convite de Youssef uma única vez, mas que o doleiro não se encontrava no local no momento e, por isso, foi embora. "Permaneci quatro minutos no local". O tesoureiro, porém, não explicou o motivo da visita e como ela foi combinada, ao ser questionado posteriormente por outros deputados.

"Já entendi: o senhor deu azar (de não encontrá-lo)", ironizou Sampaio. O deputado do PSDB, justamente quem havia feito o requerimento pedindo a convocação de Vaccari, levantou-se e deixou a CPI, ausentando-se das posteriores mais de cinco horas de questionamentos ao tesoureiro do PT.

A CPI foi criada na esteira das revelações da Operação Lava Jato, que investiga se doações para partidos políticos - supostamente legais - que teriam sido realizadas, na verdade, com recursos desviados da Petrobras por meio de contratos superfaturados com empreiteiras e outras empresas.

Vaccari é acusado de ter feito captações irregulares para o PT e foi citado nas delações premiadas do ex-gerente de Serviços e Tecnologia da Petrobras Pedro Barusco, do ex-diretor Paulo Roberto Costa e do doleiro Alberto Youssef.

"As afirmações feitas nas delações premiadas sobre minha pessoa não são verdadeiras", repetiu Vaccari, dezenas de vezes, ao longo das mais de oito horas de sessão. "Sou inocente", afirmou.

Bate-boca

A deputada Maria do Rosário também protagonizou momentos de tensão com o deputado tucano Waldir Soares. O delegado, que era suplente na legislatura anterior e foi eleito para um mandato próprio pela primeira vez ano passado, com votação recorde em Goiás, tem chamado atenção pelo tom polêmico e exaltado de sua intervenções.

"O senhor vai trabalhar no presídio dando aula de como roubar?", "Onde os tesoureiros do PT fazem cursinho para aprender a roubar o dinheiro do povo brasileiro?" e "Quem irá cuidar da suas filhas quando estiver preso? Será Lula, Dilma ou o Dirceu?" foram alguns dos questionamentos do deputado a Vaccari.

"O senhor passou no psicotécnico? Como passou no concurso para delegado?", rebateu a deputada Maria do Rosário.

Após o bate-boca, o deputado delegado Waldir disse à BBC Brasil que parte das perguntas foram enviadas por seus eleitores via redes sociais e afirmou que processará o PT, Rosário e outro deputado petista, Jorge Solla (BA).

Mais cedo, Solla o acusara de ser "comparsa" do homem que soltou ratos no plenário da CPI.

A reunião já começou sob forte tumulto e bate-boca quando um servidor da casa soltou cinco hamsters no local, logo que Vaccari entrou, rodeado por deputados do PT.

Identificado como autor da ação, o servidor da Câmara Márcio Martins Oliveira foi detido e, em seguida, exonerado pelo presidente da Casa, Eduardo Cunha (PMDB-RJ). Ele estava lotado no gabinete da segunda vice-presidência, controlada pelo deputado Giacobo (PR-PR), e já trabalhou no gabinete do deputado Paulinho da Força (Solidaridade-SP), ferrenho opositor do governo.

Power Point

O depoimento - que começou às 10h da manhã e se estendeu por oito horas - não trouxe novidades relevantes para a investigação de desvios na Petrobras.

Às 8h20, um oficial de Justiça chegou esbaforido ao Congresso para entregar à CPI oficialmente o habeas corpus concedido na noite anterior pelo ministro do STF, Teori Zavascki, permitindo a Vaccari permanecer calado e desobrigando-o a assinar um termo de compromisso de que diria apenas a verdade.

Dezenas de vezes, o tesoureiro repetiu que "todas as doações ao PT são legais e foram registradas no TSE (Tribunao Superior Eleitoral)".

Antes de responder as perguntas dos deputados, negando todas as acusações, o tesoureiro fez uma apresentação em Power Point sobre as finanças do PT e doações de empresas a outros partidos. Ele falou por pouco mais de dez minutos e sustentou que as mesmas empresas que doaram ao PT financiaram também outros partidos.

Vaccari citou reportagem do Estado de S.Paulo que diz que empresas investigadas na Operação Lava Jato foram responsáveis, em média, por 40% das doações privadas recebidas pelos diretórios nacionais do PT, do PSDB e do PMDB no período de 2007 a 2013.

No meio de sua fala, uma deputada ironizou: "É uma palestra?"

'CPI blindada'

Os próximos convocados previstos para falar na semana que vem na CPI são o executivo do grupo Setal Augusto Mendonça Neto e Luciano Coutinho, presidente do BNDES.

Deputados do PT e do PSOL acusaram parlamentares da CPI de evitar trazer depoentes desfavoráveis a outros partidos.

O nome de Fernando Soares, o Fernando Baiano, suposto operador do PMDB no esquema da Petrobras, foi citado várias vezes durante o depoimento. Há seis requerimentos pedindo sua convocação, mas eles não foram colocados em votação.

"Estão deixando a CPI em banho-maria", criticou Ivan Valente (PSOL-SP). "PSDB e PMDB estão blindando a convocação de várias pessoas que podem envolver os seus relacionados no processo da Lava Jato", acrescentou.

Juristas e cientistas políticos ouvidos pela BBC Brasil observam que pode haver exploração política dos trabalhos da comissão e questionam a capacidade de a CPI ir além do que já está sendo amplamente investigado pela Polícia Federal (PF) e o Ministério Público Federal (MPF).

Ainda assim, não descartam a importância do instrumento como forma de dar visibilidade ao assunto e cobrar explicações públicas de eventuais responsáveis por irregularidades.

O cientista político da UFRJ Jairo Nicolau destaca que a CPI da Petrobras tem servido muito mais como um instrumento político do que de investigação, porque o caso já está sob ampla investigação pela polícia e o poder Judiciário. "É um fenômeno recente. Houve nos últimos anos um processo de qualificação e capacitação do MPF e da PF. Hoje, eles têm instrumentos muitos mais sofisticados de investigação, como a delação premiada, e estão à frente da CPI", afirma.

"A CPI é um instrumento muito importante de fiscalização, mas tem sido usado mais como palanque eleitoral", critica o advogado e cientista político Wellington de Oliveira, autor do livro "CPI Brasil".

Antes de aparecer na lista de Janot, Renan Calheiros disse que não conhecia Youssef ou envolvidos na Lava Jato. Foto: Câmara dos Deputados/Gustavo LimaO ex-presidente e senador pelo PTB de Alagoas, Fernando Collor, é acusado de ter recebido dinheiro de Yousseff. Foto: ReproduçãoPresidente da Câmara, Eduardo Cunha está entre os que serão investigados na Lava Jato. Foto: Gustavo Lima / Câmara dos DeputadosSenador pelo PMDB do Maranhão e ex-ministro das Minas e Energia de Dilma, Edison Lobão é investigado em inquérito que envolve a ex-governadora do Maranhão, Roseana Sarney (PMDB). Foto: CÉLIO AZEVEDO/AGÊNCIA SENADO - 15.5.2007Senadora pelo PT do Paraná ex-ministra da Casa Civil de Dilma, Gleisi Hoffman foi citada em delação premiada da Lava Jato. Foto: FacebookAlvo de inqúerito, Antônio Anastasia é senador pelo PSDB de Minas Gerais,  ex-governador do Estado e foi coordenador de campanha de Aécio à Presidência. Foto: daniel de cerqueira - 7.11.2014Senador pelo PP do Piauí, Ciro Nogueira teve dois inquéritos arquivados, mas é alvo de um terceiro, que envolve outras 36 pessoas. Foto: Agência BrasilLindberg Farias, senador pelo PT do RJ, é suspeito de ter pedido dinheiro a Paulo Roberto Costa. Foto: Futura PressEx-governadora do Maranhão, Roseana Sarney (PMDB) é citada também no inquérito contra o senador Edison Lobão (PMDB-MA). Foto: BETO BARATA/AGência ESTADO - 4.1.2011Deputado pelo PP da Paraíba, Aguinaldo Ribeiro fio ministro das Cidades durante o governo Dilma. Foto: DivulgaçãoVilson Covatti foi deputado federal pelo PP do Rio Grande do Sul até janeiro de 2015. Foto: Facebook/ReproduçãoDeputado federal pelo PT de São Paulo e ex-líder do governo Lula, Cândido Vaccarezza teria recebido R$ 400 mil em propina. Foto: Agência BrasilAlvo de inquérito, Humberto Costa é senador pelo PT de Pernambuco e foi ministro da Saúde durante o governo Lula. Foto: DivulgaçãoSenador pelo PMDB de Roraima, Romero Jucá foi líder dos governos FHC e Lula. Foto: Agência SenadoSenador pelo PMDB de Rondônia, Valdir Raupp foi governador de Rondônia e líder do partido. Foto: DivulgaçãoEx-ministro da Casa Civil de Dilma Rousseff, Antônio Palocci terá suas condutas investigadas pela Polícia Federal no Paraná, para onde o STF mandou o inquérito. Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil - 2.1.11Tesoureiro do PT, João Vaccari Neto é alvo do processo que envolve 37 pessoas. Foto: Agência BrasilDeputado federal pelo PP de Mato Grosso, Pedro Henry foi condenado no processo do mensalão. Foto: Agência BrasilDeputado federal pelo PMDB do Ceará, Aníbal Gomes é investigado no inquérito que envolve 37 pessoas. Foto: Divulgação/Governo Municipal de AcaraúDeputado federal pelo PP do Rio de Janeiro, Simão Sessim ocupa o cargo desde a década de 1970. Foto: Agência CâmaraEx-deputado federal pelo PP de Pernambuco, teve seu mandato cassado na esteira do escândalo do mensalão. Foto: Agência BrasilDeputado federal pelo Solidariedade da Bahia, Luiz Argôlo chegou a ter sua cassação aprovada pelo Conselho de Ética da Câmara. Foto: Agência CâmaraDeputado federal pelo PP do Paraná, Nelson Meurer é presidente do partido no Estado. Foto: Agência CâmaraDeputado pelo PP do Acre, Gladson Cameli é investigado no inquérito que envolve 37 pessoas. Foto: Agência CâmaraDeputado federal pelo PP de Goiás, Roberto Balestra é investigado no maior inquérito, que envolve 37 pessoas. Foto: DivulgaçãoDeputado federal pelo PP de Goiás, Sandes Júnior, é alvo do maior inquérito da Operação, com 37 investigados. Foto: DivulgaçãoDeputado federal pelo PT do Mato Grosso, Vander Loubet é investigado em inquérito que inclui o deputado Cândido Vaccarezaa (PT-SP). Foto: DivulgaçãoSenador pelo PP do Piauí, Ciro Nogueira teve dois inquéritos arquivados, mas é alvo de um terceiro, que envolve outras 36 pessoas. Foto: DivulgaçãoDeputada federal pelo PP de São Paulo, Aline Corrêa consta da lista de 37 investigados de um dos inquéritos da Lava Jato. Foto: Agência CâmaraSenador pelo PP de Alagoas, Benedito de Lira iniciou sua carreira política no extinto Arena, que apoiava a ditadura militar. Foto: DivulgaçãoDeputado federal pelo PT de São Paulo, José Mentor foi líder estudantil contrário à ditadura militar. Foto: DivulgaçãoDeputado federal pelo PP do Rio Grande do Sul, José Otávio Germano é alvo de dois pedidos de instauração de inquérito. Foto: DivulgaçãoDeputado federal pelo PP do Ceará, José Linhares Ponte foi padre e usa a experiência de sacerdócio nas campanhas eleitorais. Foto: ReproduçãoDeputado federal pelo PP de Pernambuco até janeiro  de 2015, Roberto Teixeira é investigado no inquérito que envolve 37 pessoas. Foto: DivulgaçãoDeputado federal pelo PP de Santa Catarina até janeiro de 2015, João Alberto Pizzolatti Junior é alvo do inquérito que envolve outras 36 pessoas. Foto: Facebook/ReproduçãoDeputado federal pelo PP da Bahia até janeiro de 2015, Mário Negromonte foi ministro das Cidades durante o governo Dilma. Foto: WikimediaDeputado pelo PP do Maranhão, Waldir Maranhão é investigado no inquérito que envolve outras 36 pessoas. Foto: Facebook/ReproduçãoVice-governador da Bahia, comandada por Rui Costa (PT), João Leão foi deputado federal pelo PP do Estado. Foto: ReproduçãoDeputado federal pelo PP de Rondônia até janeiro de 2015, Carlos Magno Ramos foi secretário da Casa Civil do ex-governador  e hoje senador Ivo Cassol (PP). Foto: DivulgaçãoDeputado federal pelo PP da Bahia, Roberto Britto é investigado no inquérito que envolve outras 37 pessoas. Foto: Facebook/ReproduçãoDeputado federal pelo PP do Rio Grande do Sul, Renato Molling é investigado no inquérito que envolve 37 pessoas. Foto: Facebook/ReproduçãoDeputado federal pelo PP do Rio Grande do Sul, Luis Carlos Heinze é investigado no inquérito que envolve 37 pessoas. Foto: Facebook/ReproduçãoDeputado federal pelo PP do Tocantins, Lázaro Botelho é investigado no inquerito que envolve 37 pessoas. Foto: Facebook/ReproduçãoDeputado federal pelo PP de São Paulo, José Olímpio se apresenta como missionário da Igreja Mundial do Poder de Deus. Foto: Facebook/ReproduçãoDeputado federal pelo PP do Rio Grande do Sul, Afonso Hamm é investigado no inquérito que envolve outras 37 pessoas. Foto: Facebook/ReproduçãoDeputado federal pelo PP, Jerônimo Goergen foi vice-líder da bancada do PP na Câmara dos Deputados. Foto: Facebook/ReproduçãoDeputado federal pelo PP do Paraná, Dilceu Sperafico é investigado no inquérito que envolve outras 37 pessoas. Foto: Twitter/ReproduçãoDeputado federal pelo PP de Alagoas, Arthur Lira é filho de Benedito de Lira, também investigado na Lava Jato. Foto: Twitter/ReproduçãoDeputado pelo PP de Minas Gerais, Luiz Fernando Faria é investigado no inquérito que envolve 37 pessoas. Foto: ReproduçãoDeputado federal pelo PP de Pernambuco, Eduardo da Fonte foi segundo vice-presidente da Câmara e líder do PP na Casa. Foto: Divulgação


Leia tudo sobre: operação lava jatolava jatovaccariPTPSDB

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas