Analistas revelam até onde Eduardo Cunha pode chegar

Por BBC Brasil | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Enquanto presidente da Câmara garante mais poder ao PMDB, analistas e avaliam suas eventuais chances de comandar o país

BBC

Terceiro deputado federal mais votado no Estado do Rio de Janeiro, o carioca Eduardo Cunha tornou-se presidente da Câmara dos Deputados e vem mantendo embates com o governo federal e a presidente Dilma Rousseff.

Mais cedo: Depoimento de Vaccari Neto aprofunda debate sobre papel das CPIs

Analistas e aliados avaliam as ambições e perspectivas de Cunha na política
REPRODUÇÃO/AGÊNCIA BRASIL
Analistas e aliados avaliam as ambições e perspectivas de Cunha na política

Hoje: Contra protesto fragmentado, grupo anti-Dilma define lista com 10 reivindicações

Sob as bandeiras de maior independência do Congresso e divergência em medidas importantes, como a reforma política, ele tem garantido mais poder ao seu partido, o PMDB. Mas até onde ele pode chegar? Quais são suas ambições, e como aliados e analistas veem suas chances?

A BBC Brasil conversou com deputados estaduais com quem ele fez "dobradinhas", seu coordenador de campanha e cientistas políticos, além do próprio Cunha, para tentar dimensionar onde o recém-conquistado protagonismo na política nacional pode levar o peemedebista.

Após eleger-se deputado estadual pelo PPB, em 2001, no Rio de Janeiro, Cunha obteve seu primeiro mandato em Brasília, na Câmara, em 2002, e agora dá início ao quarto mandato na Casa, após ter sido líder do PMDB em legislaturas anteriores.

CPI: Vaccari Neto promete 'responder tudo' para não se transformar em novo Delúbio

Com a crise política, a baixa popularidade de Dilma, a operação Lava Jato, pedidos de impeachment e o agravamento das tensões entre PT e PMDB, ele vem aproveitando o cenário para conquistar maior autonomia a sua legenda, o que aumenta as especulações sobre uma candidatura própria peemedebista ao Planalto em 2018 e o possível nome de Cunha para encabeçar a chapa.

Para os analistas, é difícil prever os rumos que sua trajetória pode tomar. Há os que acreditam que ele tenha tais pretensões e chances reais de se tornar presidente da República. Mas há os que descartam essa possibilidade, citando o fato de ele nunca ter ocupado cargos de eleição majoritária (prefeito, governador) e sua propensão a ser um político de bastidores - e que talvez faria mais sentido que viesse a ocupar a presidência do PMDB, por exemplo.

Evangélico e conservador, Cunha é contra o aborto e o casamento entre pessoas do mesmo sexo, além de se opôr à adoção de crianças por casais gays e à descriminalização da maconha. A agenda tem sido crucial para suas votações no Rio de Janeiro e é parte das polêmicas que vêm tornando seu nome mais conhecido em todo o país - seja em manifestações de apoio ou em protestos de quem discorda de suas visões.

Ambições presidenciais?

O Pastor Paulo Júnior, da Assembleia de Deus de Santa Cruz, Zona Oeste do Rio, que coordenou a campanha de Cunha e trabalha em seu escritório parlamentar, acredita ser "questão de pouquíssimo tempo" até que o Brasil tenha seu primeiro presidente evangélico.

"Nesta última eleição, tivemos o candidato Pastor Everaldo, que não fez muito sucesso por conta da entrada da Marina Silva, também evangélica, o que mostra que a presença está aumentando. Os evangélicos estão mais politizados, mais influentes, e é inevitável que tenhamos um evangélico no Planalto", disse. 

Cunha, ao ser eleito presidente da Câmara; ele tem dado mais autonomia ao PMDB e imposto derrotas ao Executivo

Questionado se este evangélico seria o deputado federal Eduardo Cunha, foi reticente. "Não é algo tão simples. Isso depende muito do partido, do perfil. Ele nunca foi prefeito, nem governador. Se eu gostaria que ele fosse presidente? Não posso afirmar isso, não cabe a mim."

Para o cientista político Antonio Lavareda, especialista em pesquisas eleitorais, no entanto, pode haver chances reais de Cunha tornar-se presidente.

Ele explica que num eventual processo de impeachment de Dilma Rousseff a 24 meses e um dia do fim do mandato, se fosse provado que houve problema com as finanças da campanha presidencial, toda a chapa eleita teria que sair, incluindo o vice-presidente Michel Temer (PMDB), e o novo líder seria eleito de forma indireta, pelo Congresso. "Assim manda a Constituição, e no caso de um pleito indireto, Cunha seria imbatível", diz.

De qualquer maneira, como nome do partido em 2018, ele também teria chances, acredita Lavareda.

Nona fase da Operação da Lava Jato começou nesta quita-feira (5) e apreendeu grandes quantidades de dinheiro, 500 relógios e documentos. Foto: Polícia FederalNona fase da Operação da Lava Jato começou nesta quita-feira (5) e apreendeu grande quantia de dinheiro, 500 relógios e documentos. Foto: Polícia FederalSuspeito de ligação com Alberto Yousseff, Adarico Negromonte é preso pela PF, em novembro.. Foto: Cassiano Rosário/Futura PressO advogado da Queiroz Galvão, José Luiz de Oliveira Neto, em entrevista em novembro. Foto: Cassiano Rosário/Futura PressRoberto Brzezinski Neto, representante do escritório que defende Renato Duque na Operação Lava Jato, em janeiro. Foto: Cassiano Rosário/Futura PressNona fase da Operação da Lava Jato começou nesta quita-feira (5) e apreendeu grande quantidade de dinheiro, 500 relógios e documentos. Foto: Polícia FederalInvestigações da Operação Lava Jato . Foto: Fotos PúblicasGraça Foster e cinco diretores renunciam ao cargo na Petrobras
. Foto: Fotos PúblicasCosta e Cerveró entram em contradição na CPMI sobre corrupção na Petrobras. Foto: Fotos PúblicasCosta e Cerveró entram em contradição na CPMI sobre corrupção na Petrobras. Foto: Fotos PúblicasCosta e Cerveró entram em contradição na CPMI sobre corrupção na Petrobras. Foto: Fotos PúblicasCosta e Cerveró entram em contradição na CPMI sobre corrupção na Petrobras. Foto: Fotos PúblicasLilian Pinheiro visita o pai, Leo Pinheiro (presidente da OAS), em carceragem da PF, em janeiro. Foto: Futura PressAmigos e familiares do lobista Fernando Baiano o visitam em carceragem da PF em Curitiba (PR), em 21 de janeiro. Foto: Futura PressProcurador Deltan Dallagnol explica como era feita esquema de propina na Petrobras, em coletiva realiazada em Curitiba (PR), no dia 11 de dezembro. Foto: Futura PressSede do Ministério Público Federal, que investiga os desvios na Petrobras. Foto: Futura PressViatura da Receita Federal deixa prédio da construtora Camargo Correia durante operação Lava Jato, em 14 de novembro. Foto: Futura PressMalotes com documentos de detidos na Operação Lava Jato apreendidos pela PF em 14 de novembro . Foto: Futura PressPresidente da construtora UTC, Ricardo Pessoa, é preso pela PF em 14 de novembro de 2014. Foto: Futura PressPolícia Federal vasculha sede da OAS, uma das envolvidas em esquemas de propinas da Lava Jato, em novembro de 2014. Foto: Futura PressFuncionário manuseia obras de artistas brasileiros apreendidas pela PF na Operação Lava Jato, em 16 de maio. Foto: Futura PressPF apreende farta quantia de reais e dólares no Rio de Janeiro, em 17 de março. Foto: Divulgação/Polícia FederalPF apreendeu grande quantidade de dinheiro em cofre na cidade de Londrina, no Paraná. Foto: Divulgação/Polícia FederalEntre os crimes investigados estão contrabando de pedras preciosas e desvios de recursos públicos. Foto: DivulgaçãoSão cumpridas também ordens de seqüestro de imóveis de alto padrão, além da apreensão de patrimônio adquirido por meio de práticas criminosas. Foto: DivulgaçãoCarro de luxo apreendido pela PF. Foto: DivulgaçãoEntre os bens apreendidos, foram encontradas obras de arte no Paraná. Foto: Divulgação/PFPosto de combustível no DF onde foram feitas apreensões. Foto: Divulgação/PFOperação Lava Jato da Polícia Federal. Foto: DivulgaçãoDoleiro Alberto Yousseff segue preso por outras acusações 21 10 2014. Foto: Jeso Carneiro/Agência Senado

"Se ocupar cargos majoritários fosse pré-requisito para alguém ter chance de se eleger presidente, Dilma não estaria no Planalto, já que nunca foi prefeita ou governadora e nem mesmo passou pelo Parlamento. Como ex-presidente da Câmara e condutor desse processo de maior autonomia do PMDB, ele já ganha legitimidade natural dentro do partido", opina.

Questionado sobre a necessidade de Cunha "abrandar" seu discurso conservador e o fato de não ter eleitores em todo o país, o analista diz que os posicionamentos dele encontram ressonância em grande parte da população e, num momento em que a confiança da população nos políticos mais conhecidos anda em baixa, um nome novo pode ser bem-sucedido.

No entanto, para Ricardo Ismael, doutor em Ciências Políticas pelo Iuperj e professor da PUC-Rio, Cunha tende a solidificar seu papel de articulador político, de homem dos bastidores do poder, em vez de mirar o Planalto.

"Além dos redutos e currais eleitorais onde ele consegue seus votos, Cunha nunca teve uma votação extraordinária. Além disso, ele sempre quis ocupar postos de articulação, de acesso ao poder. Após a presidência da Câmara faria muito mais sentido que sua ambição fosse presidir o PMDB do que se candidatar ao Planalto", diz.

"E, mesmo assim, teria que conquistar o apoio de todos os (diretórios estaduais do) PMDB, teria que costurar acordos", acrescenta.

Para o deputado estadual Domingos Brasão (PMDB-RJ), com quem Cunha fez dobradinha em Rio das Pedras, Zona Oeste do Rio e local onde teve maior votação na capital, o peemedebista está em ascensão e tem características que o diferenciam de outros nomes fortes evangélicos, como Jair Bolsonaro.

"Ele vem numa crescente. Aumenta a votação a cada eleição, e é claro que há muitos votos de evangélicos, sim, mas a agenda dele inclui outros temas. Abolir a prova da OAB, reduzir ministérios, categorias que precisam ser ouvidas em Brasília, são inúmeras pautas. A agenda dele é mais ampla do que a de outros candidatos evangélicos com destaque nacional", diz.

'Só quero cumprir meu mandato'

Ainda em julho de 2013, o presidente da igreja Sara Nossa Terra, bispo Robson Rodovalho, disse à Folha de S. Paulo que era "natural" que um dia o Brasil tivesse seu primeiro presidente evangélico.

Eduardo Cunha integrou a Sara Nossa Terra por mais de dez anos, e em fevereiro deste ano tornou-se membro da Assembleia de Deus de Madureira, igreja comandanda pelo pastor Abner Ferreira, cuja sede é em Brasília mas que conta com milhares de fieis no Rio. Aliados afirmam, no entanto, que ele cultiva os laços com a Sara Nossa Terra, mantendo seu relacionamento.

Questionado pela BBC Brasil, Cunha negou tratar-se de uma retribuição pelos votos de fiéis da região de forte influência da igreja, na Zona Oeste do Rio - justamente onde obteve a maior votação. Cunha está na lista do procurador-geral Rodrigo Janot (acima) de políticos a serem investigados pela Lava Jato

"Partiu deles mesmo, foi um carinho. Me deram um certificado de membro, não tive como recusar. E eu tenho a minha votação muito medida. O meu eleitorado evangélico eu conquistei na primeira eleição, com cem mil votos. Depois fiz 130 mil, 150 mil, e 232 mil agora. Eu não cresci no segmento evangélico, eu mantive o que já tinha e o restante foi por ficar mais conhecido no Estado. O voto evangélico é muito importante, mas eu tenho votos de todas as matizes. Do total eu devo ter tido um terço de evangélicos, e dois terços foram de eleitores normais", disse.

Perguntado pela reportagem se pretende concorrer à presidência, Cunha rejeitou a ideia e disse que seu candidato é "outro Eduardo".

"Só quero cumprir meu mandato, só isso. Meu candidato a presidente é o (prefeito do Rio) Eduardo Paes. Eu não faço política por ambição, nunca fiz. Onde eu cheguei, cheguei por trabalho e em decorrência das circunstâncias, jamais por ambição. Eu nunca persegui nada, nem o meu primeiro mandato de deputado federal, foi absolutamente por acaso", diz.

PMDB e Lava Jato

Paulo Fassoni Arruda, professor de Ciências Políticas da PUC-SP, relembra que há outros nomes dentro do PMDB com chances maiores de serem cotados para uma potencial candidatura própria do partido daqui a quatro anos.

Entre eles estão Temer, Roberto Requião (ex-governador do Paraná e ex-prefeito de Curitiba) e Paes.

"Para uma hipotética candidatura presidencial, primeiro ele teria que conquistar o apoio dentro do próprio PMDB, algo que mesmo para alguém com um perfil de articulador pode ser um desafio, dado que partido é altamente heterogêneo", diz.

Os especialistas também lembram que Cunha está sendo investigado pela Operação Lava Jato e que ainda corre o risco de ter seu mandato cassado e direitos políticos impugnados, o que é mais um fator que poderia dificultar quaisquer ambições presidenciais caso ele seja denunciado.

Leia tudo sobre: cunhaptoperacao lava jatopetrobraspmdb

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas