Investigado na Operação Lava Jato, Duque foi preso dia 16 de março pela Polícia Federal pela determinação do juiz Moro

Agência Brasil

Mesmo após a deflagração da Operação Lava Jato, Renato Duque cometeu lavagem de dinheiro
Agência Brasil
Mesmo após a deflagração da Operação Lava Jato, Renato Duque cometeu lavagem de dinheiro

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) decidiu nesta segunda-feira (6) manter a prisão do ex-diretor de Serviços da Petrobras Renato Duque, investigado na Operação Lava Jato. Na decisão, o desembargador convocado Newton Trisotto entendeu a decisão do juiz Sérgio Moro, que decretou a prisão de Duque, está corretamente fundamentada no risco à ordem pública.

Leia mais:

Suspeita sobre senador do PT indica elo da Lava Jato com governo do PSDB

Empreiteira da Lava Jato atrasa Rodoanel e pode perder contrato até fim do mês

Duque foi preso no dia 16 de março pela Polícia Federal por determinação de Moro. Ele está sob custódia no Complexo Médico-Penal, em Pinhais, na região metropolitana de Curitiba.

Segundo o juiz, mesmo após a deflagração da Operação Lava Jato, Duque continuou cometendo crime de lavagem de dinheiro, ocultando os valores oriundos de propina em contas secretas no exterior, por meio de empresas offshore.

Para o Moro, os 20 milhões de euros que foram bloqueados em bancos na Suíça e em Mônaco não são compatíveis com a renda do acusado. Duque também é acusado dos crimes de corrupção e fraude em licitação durante sua gestão na Petrobras.

A defesa de Duque alega que nunca cobrou propina e que a prisão é ilegal.

Saiba quem são os políticos que estão na lista da Operação Lava Jato:


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.