Morte de filho de Alckmin vai impactar sucessão no PSDB-SP

Por Anderson Passos , iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Negociações entre aliados de Serra e do governador paulista já haviam iniciado; eleição está inicialmente marcada para maio

A queda de helicóptero que vitimou o filho caçula do governador paulista Geraldo Alckmin (PSDB), Thomaz, de 31 anos, vai impactar o processo de sucessão no PSDB paulista. As negociações, que começaram há algumas semanas com foco nos diretórios dos maiores municípios do Estado, tendem a ser pausadas pela tragédia.

Thomaz Alckmin posa para foto com a irmã, Sophia: ele morreu com apenas 31 anos de idade
Instagram/Reprodução
Thomaz Alckmin posa para foto com a irmã, Sophia: ele morreu com apenas 31 anos de idade

As negociações em torno do diretório municipal na capital paulista, bem como da seção estadual eram tratadas com cautela pelo tucanato. Todos os esforços tinham por objetivo evitar uma divisão entre o grupo do governador Geraldo Alckmin e do senador José Serra.

Leia mais:
Alckmin não sai do lado do caixão; corpo de Thomaz está sem ferimentos aparentes

O governador tem a primazia de conduzir o processo. No diretório estadual há um revezamento entre um deputado estadual e um federal. Assim, Duarte Nogueira, atual titular, pode dar lugar ao deputado estadual Pedro Tobias. Uma vez confirmado no cargo, caberia a Tobias atuar para dar ao governador paulista a visibilidade necessária para fazer de Alckmin um potencial nome ao Palácio do Planalto em 2018.

No Instagram de Sophia Alckmin, é possível ver foto de Lu Alckmin e seus três filhos. Foto: Instagram/ReproduçãoNa foto, Família Alckmin reunida em automóvel. Foto: Instagram/ReproduçãoSophia postou foto da família Alckmin reunida em comemoração. Foto: Instagram/ReproduçãoNa foto, Sophia joga baralho com Thomaz e sua esposa. Foto: Instagram/ReproduçãoSophia Alckmin posta foto de festa surpresa feita para Thomaz. Foto: Instagram/ReproduçãoFamília Alckmin reunida nos bastidores do debate da TV Globo. Foto: Instagram/ReproduçãoThomaz Alckmin (à esquerda), ao lado dos irmãos Sophia e Geraldo. Foto: Reprodução/FacebookThomaz ao lado da mãe, Lu Alckmin. Foto: Eliana Rodrigues/DivulgaçãoReprodução do Instagram da mulher de Thomaz Alckmin, filho do governador de São Paulo que morreu em acidente de helicóptero nesta sexta-feira (2 de março). Foto: Reprodução/InstagramHelicóptero que matou cinco pessoas, entre elas o filho caçula de Alckmin, caiu em um condomínio na Grande São Paulo . Foto: Reprodução/TV GloboO governador Geraldo Alckmin fazia um giro pelo interior paulista quando soube do acidente com o filho caçula, Thomaz (02/04/2015). Foto: Reprodução

Atualmente o diretório municipal em São Paulo é gerido pelo ex-deputado estadual Milton Flávio. Nome próximo a José Aníbal (aliado de Alckmin), ele pode ser substituído por um quadro no partido ligado ao governador.

Já surgiram no horizonte tucanos pré-candidatos à prefeitura de São Paulo para o ano que vem. Entre eles estão o deputado federal eleito Bruno Covas; o deputado e agora suplente de senador José Aníbal; e o vereador paulistano Andrea Matarazzo, ligado ao senador eleito José Serra. Mário Covas Neto, o “Zuzinha”, também vereador em São Paulo e filho do ex-governador Mário Covas (morto em 2001), é outro nome.

Divisão
A disputa ficou evidente em 2012, quando o PSDB mantinha em curso uma prévia com nomes como o então secretário estadual do Meio Ambiente Bruno Covas – que transferiu o domicílio eleitoral de Santos para a capital –; o titular à época da pasta de Energia, José Aníbal; o então deputado estadual Beto Trípoli; e o vereador Andrea Matarazzo.

Leia também:
"Triste e devastador", lamenta Aécio Neves no velório de Thomaz Alckmin
Políticos e amigos se despedem de Thomaz Alckmin em velório em SP
Filho de Alckmin é confirmado como quinta vítima de acidente de helicóptero

Serra só definiu seu ingresso às vésperas da prévia e provocou a ira de Aníbal – hoje seu suplente no Senado – e de Trípoli, enquanto Covas e Matarazzo retiraram seus nomes. Serra venceu a prévia com 52% da preferência e mais tarde seria derrotado no segundo turno da eleição municipal pelo petista Fernando Haddad. 

Leia tudo sobre: geraldo alckminthomaz alckminhelicóptero

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas