Edinho Silva disse que diálogo com a imprensa e a sociedade será ampliado e que não haverá tema proibido

Agência Brasil

Dilma dá posse a Edinho Silva sob as vistas do ex-presidente Sarney
José Cruz/Agência Brasil
Dilma dá posse a Edinho Silva sob as vistas do ex-presidente Sarney

O ministro-chefe da Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República, Edinho Silva, que tomou posse nesta terça (31), disse que o governo passa por um momento de “turbulência e ajuste”, e salientou que o diálogo com a imprensa e a sociedade será ampliado.

“Este é um momento de turbulência e de ajustes, mas este governo tem credibilidade e pode dizer ao povo brasileiro o que vai ser feito no futuro”, disse. “Precisamos estabelecer diálogo franco com a sociedade, mostrando que um governo que já fez, tem todas as condições de conduzir o país neste momento e de continuar fazendo”, disse em entrevista após tomar posse.

Leia também: Edinho põe PT de Lula no centro da comunicação do governo

Segundo Silva, em sua gestão não haverá “tema proibido, conflito que não possa ser explicado, nem contradição que não possa ser esclarecida”. O novo ministro substitui Thomas Traumann, que deixou o governo na última semana.

Silva defendeu a integração da política de comunicação de governo e disse que vai se basear em critérios técnicos para definir as ações da pasta, entre elas a distribuição da verba de publicidade governamental. “Serei um gestor zeloso para que a gente possa garantir boa utilização de recursos, otimizar a execução orçamentária e fazer com que os recursos possam chegar ao maior número de veículos, respeitando a diversidade etária, as diversidades regionais, para que a maior parcela possível possa ter acesso aos feitos do governo e às campanhas informativas”, adiantou.

Relembre: ‘Fazer denúncia é fácil. É preciso provar’, diz Edinho Silva

Sociólogo e professor, Silva já foi prefeito de Araraquara por duas vezes, presidente do PT em São Paulo e deputado estadual pelo partido. Em 2014, foi tesoureiro da campanha à reeleição da presidenta Dilma Rousseff.

Apesar de não ser jornalista, como os últimos ministros que comandaram a Secom, Silva diz que tem consciência do papel da comunicação governamental, principalmente para prestação de contas à sociedade. “Não a prestação de contas como uma convenção, mas como um dever com o contribuinte, com aqueles que pagam seus impostos e querem saber, cotidianamente, o que é feito com os recursos públicos. A comunicação se dá no cotidiano”, avaliou.

O novo ministro participou hoje de parte da reunião de coordenação política, comandada pela presidenta Dilma, e pretende se reunir, nos próximos dias, com os responsáveis pela comunicação dos ministérios para melhorar a coordenação entre as ações. “Não existe política pública de ministério, existe política pública de governo, e essa comunicação tem que estar integrada e organizada para ser eficiente”.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.