Vem Pra Rua adere ao discurso do "Fora Dilma"

Por David Shalom , iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Grupo era único entre os organizadores dos protestos do dia 12 que não apoiava saída de Dilma da presidência da República

Os gritos pelo impeachment podem ficar mais fortes no próximo protesto anti-Dilma Rousseff, marcado para 12 de abril, em dezenas de cidades brasileiras. Grupo que mais tem se destacado na mídia nas últimas semanas entre os movimentos contra a presidente, o Vem Pra Rua passou a incluir o "Fora Dilma" em sua pauta, antes concentrada em gritar contra a corrupção e pela reforma política no Brasil.

Rogerio Chequer: assim como líderes de outros grupos, ele agora quer Dilma fora
Divulgação
Rogerio Chequer: assim como líderes de outros grupos, ele agora quer Dilma fora

"Não é exatamente uma mudança de posicionamento. Agora estamos assumindo para a manifestação que queremos a saída da presidente do poder", diz ao iG Rogerio Chequer, fundador e líder do grupo que até semana passada rechaçava abraçar a pauta em favor da queda da presidente. "Estamos acrescentando esta demanda àquelas que já tínhamos."

Conforme o iG mostrou na semana passada, a falta de unidade de pautas entre os grupos protagonistas dos atos de rua contra a presidente começou a causar um racha entre eles. Primeiro, os alvos de críticas foram os pró-militares, vistos como piada entre os mais destacados movimentos dos protestos do último dia 15 de março. Para as lideranças, a presença de grupos em favor de intervenção do Exército apenas prejudica as manifestações.

Leia mais:
Divergência de pautas expõe racha entre grupos anti-Dilma Rousseff

Com a opinião unânime em relação aos chamados "milicos", o alvo de ataques dos grupos passou a ser o Vem Pra Rua, consequência da grande atenção que o movimento vem ganhando sem, no entanto, promover o pedido por impeachment da presidência – foco do Movimento Brasil Livre (MBL), o responsável por agendar tantos os atos do dia 15 quanto os do dia 12 de abril.

Na semana passada, Renan Santos, de 31 anos, um dos líderes do MBL, afirmou que o Vem Pra Rua conseguia ser tão prejudicial quanto os grupos pró-intervenção militar nos protestos e que isso poderia levá-lo a ser responsável por esvaziar as manifestações devido ao fato de suas pautas fugirem do principal objetivo dos atos.

"Ninguém sai de casa contra um inimigo genérico, contra a corrupção, pela esperança, pela probidade, pela ética. É um protesto contra a Dilma, com foco, cara e objetivo", criticou Santos na ocasião. "Agora, se eles [Vem Pra Rua] começassem a tomar posições diferentes das do PSDB [principalmente em relação ao pedido de impeachment] até sentiríamos mais confiança em trabalhar com eles."

Veja fotos dos protestos do último dia 15 de março:

Jovem posa em protesto contra Dilma Rousseff, neste domingo (15), em São Paulo. Foto: David Shalom/iG São PauloManifestante exibe cartaz, durante ato contra governo Dilma. Foto: Orlando kissner/ Fotos PúblicasAlgumas mulheres se destacaram na manifestação em São Paulo pelo visual. Foto: Paulo Lopes/Futura PressNa onda do panelaço do domingo (8), manifestante foi para a Avenida Paulista neste dia 15 com panela de pressão. Foto: Uriel Punk/Futura PressA revista "Veja" também serviu de inspiração para um dos cartazes da manifestação deste domingo, dia 15. Foto: Vilmar Bannach/Futura PressA tampa da caixa de pizza (uma alusão a impunidades?) virou cartaz para um dos manifestantes de São Paulo. Foto: Vilmar Bannach/Futura PressMuitos manifestantes carregaram cartazes para a manifestação paulistana. Foto: Vilmar Bannach/Futura PressPelo menos 15 integrantes do grupo Carecas do Subúrbio foram presos na manifestação de São Paulo porque carregavam fogos e soco inglês (15/03/2015). Foto: Paulo Lopes/Futura PressVuvuzelas foram distribuídas pelos organizadores da manifestação em São Paulo. Foto: Alberto Wu/Futura PressManifestantes seguram cartaz durante ato neste domingo (15). Foto: Barbara Liborio/iGManifestantes ocupam prédio do Masp, na Avenida Paulista, em São Paulo. Foto: Robson Fernandjes/ Fotos PúblicasEm Brasília, manifestantes penduram bonecos representando a presidente Dilma e o ex-presidente Lula. Na placa no pescoço de um dos bonecos lê-se "Eu não sei de nada". Foto: AP Photo/Eraldo PeresEm Brasília, uma mulher pedala sua bicicleta de camiseta do Brasil e um cartaz com os dizeres "Fora Dilma, Impeachment já". Foto: AP Photo/Eraldo PeresMãe e filho participam de protesto vestido verde e amarelo em Brasília neste domingo dia 15 de março. Foto: AP Photo/Eraldo PeresEm Brasília, uma homem segura um cartaz em inglês durante o protesto. "Sem mais corrupção no Brasil", diz o cartaz, que sublinha as letras do PT, partido da presidente. Foto: AP Photo/Eraldo PeresNo Rio de Janeiro, manifestantes tomaram a praia de Copacabana para reclamar do governo federal. Foto: AP Photo/Felipe DanaCrianças pintam cartaz em manifestação em São Paulo, no domingo (15). Foto: Barbara Liborio/iGManifestantes levam cruz com nome de Dilma no protesto deste domingo (15), em São Paulo. Foto: Bárbara Libório/iG São PauloAmbulantes aproveitam movimento para vender artigos verde amarelos. Foto: Ana Flávia Oliveira/iG São PauloAmbulantes vendem artigos na avenida Paulista. Foto: Ana Flávia Oliveira/iG São PauloManifestantes saindo do metrô. Foto: Ana Flávia Oliveira/iG São PauloProtestantes vestidos com as cores da bandeira. Foto: Ana Flávia Oliveira/iG São PauloProtestantes escolheu o metrô como meio de locomoção. Foto: Bárbara Libório/iG São PauloProtestantes pedem a saída da presidente Dilma Rousseff. Foto: David Shalom/iG São PauloManifestação em São Paulo neste domingo (15). Foto: David Shalom/iG São Paulomanifestação. Foto: David Shalom/iG São PauloManifestantes contra o governo Dilma se reúnem em frente ao Masp, em São Paulo. Foto: Ricardo ChisteManifestantes contra o governo Dilma se reúnem em frente ao Masp, em São Paulo. Foto: Ricardo ChistePolícia faz cordão de isolamento durante protestos na Avenida Paulista, em São Paulo. Foto: Ricardo ChisteManifestante ergue cartaz, durante protestos contra o governo Dilma, na Avenida Paulista, em São Paulo. Foto: Robson Fernandjes/ Fotos PúblicasManifestantes contra o governo Dilma se reúnem em frente ao Masp, em São Paulo. Foto: Ricardo ChisteManifestação contra o governo Dilma enche a Avenida Paulista, em São Paulo. Foto: Robson Fernandjes/ Fotos PúblicasManifestação contra o governo Dilma enche a Avenida Paulista, em São Paulo. Foto: Robson Fernandjes/ Fotos PúblicasMarcelo Madureira, ex-Casseta & Planeta, participa do protesto anti-Dilma, em Copacabana, Rio de Janeiro. Foto: Marcello Sá Barretto / AgNewsManifestantes pedem o impeachment da presidente Dilma Rousseff, em Copacabana, Rio de Janeiro
. Foto: Tasso Marcelo/ Fotos PúblicasMarcelo Madureira, ex-Casseta & Planeta, participa do protesto anti-Dilma, em Copacabana, Rio de Janeiro. Foto: Marcello Sá Barretto / AgNewsManifestantes pedem o impeachment da presidente Dilma Rousseff, em Copacabana, Rio de Janeiro
. Foto: Tasso Marcelo/ Fotos PúblicasManifestante ergue cartaz, durante protesto contra o governo Dilma, em Copacabana, Rio de Janeiro. Foto: Marcello Sá Barretto / AgNewsManifestante levou faixa com suástica desenhada em protesto no Rio de Janeiro. Foto: Reprodução/Globo NewsAtivista José Júnior postou imagem da orla da Maceió (AL). Foto: Reprodução/Facebook José JúniorFamosos vão para as ruas em manifestações pelo Brasil. Foto: Reprodução/InstagramFamosos vão para as ruas em manifestações pelo Brasil. Foto: Reprodução/InstagramFamosos vão para as ruas em manifestações pelo Brasil. Foto: Reprodução/InstagramFamosos vão para as ruas em manifestações pelo Brasil. Foto: Reprodução/InstagramFamosos vão para as ruas em manifestações pelo Brasil. Foto: Reprodução/InstagramFamosos vão para as ruas em manifestações pelo Brasil. Foto: Reprodução/InstagramFamosos vão para as ruas em manifestações pelo Brasil. Foto: Reprodução/InstagramFamosos vão para as ruas em manifestações pelo Brasil. Foto: Reprodução/InstagramManifestação contra o governo Dilma e corrupção na Petrobras, enche a praça da liberdade, em Belo Horizonte. Foto: Marcelo Sant Anna/Fotos PúblicasManifestação contra o governo Dilma e corrupção na Petrobras, enche a praça da liberdade, em Belo Horizonte. Foto: Marcelo Sant Anna/Fotos PúblicasManifestação contra o governo Dilma e corrupção na Petrobras, enche a praça da liberdade, em Belo Horizonte. Foto: Marcelo Sant Anna/Fotos PúblicasManifestação contra o governo Dilma e corrupção na Petrobras, enche a praça da liberdade, em Belo Horizonte. Foto: Marcelo Sant Anna/Fotos PúblicasManifestação contra o governo Dilma e corrupção na Petrobras, enche a praça da liberdade, em Belo Horizonte. Foto: Marcelo Sant Anna/Fotos PúblicasManifestação contra o governo Dilma e corrupção na Petrobras, enche a praça da liberdade, em Belo Horizonte. Foto: Marcelo Sant Anna/Fotos PúblicasManifestação contra o governo Dilma e corrupção na Petrobras, enche a praça da liberdade, em Belo Horizonte. Foto: Marcelo Sant Anna/Fotos PúblicasManifestação contra o governo Dilma e corrupção na Petrobras, enche a praça da liberdade, em Belo Horizonte. Foto: Marcelo Sant Anna/Fotos PúblicasManifestação contra o governo Dilma e corrupção na Petrobras, enche a praça da liberdade, em Belo Horizonte. Foto: Marcelo Sant Anna/Fotos PúblicasManifestações nas ruas do Recife pedem impeachment da presidente Dilma Rousseff. Foto: Rodrigo Lôbo / Fotos PúblicasManifestações nas ruas do Recife pedem impeachment da presidente Dilma Rousseff. Foto: Rodrigo Lôbo / Fotos PúblicasManifestações nas ruas do Recife pedem impeachment da presidente Dilma Rousseff. Foto: Rodrigo Lôbo / Fotos PúblicasManifestações nas ruas do Recife pedem impeachment da presidente Dilma Rousseff. Foto: Rodrigo Lôbo / Fotos PúblicasNo Recife, a manifestação do dia 15 não registrou incidentes. Foto:  Rodrigo Lôbo/ Fotos PúblicasManifestante engrossa pauta da manifestação no Rio de Janeiro. Foto: Reprodução FacebookEm Salvador, manifestantes pediram o impeachment da presidente Dilma. Foto: João Alvarez/ Fotos PúblicasManifestantes pedem a saída da presidente Dilma no posto 5, em Copacabana, no Rio de Janeiro. Foto: Nina Ramos/iG Rio de JaneiroManifestantes pedem a saída da presidente Dilma no posto 5, em Copacabana, no Rio de Janeiro. Foto: Nina Ramos/iG Rio de JaneiroBelém (PA) também registrou manifestações em protesto contra a presidente Dilma. Foto: Igor Mota/Futura PressRio de Janeiro também se mobilizou nesta manhã de domingo (15) para protestar contra o governo e cobrar o impeachment de Dilma Rousseff. Foto: Nina Ramos/iG RioEm Salvador, a concentração do protesto aconteceu no Farol da Barra. Foto: iG BahiaRio de Janeiro também se mobilizou nesta manhã de domingo (15) para protestar contra o governo e cobrar o impeachment de Dilma Rousseff. Foto: Nina Ramos/iG RioRio de Janeiro também se mobilizou nesta manhã de domingo (15) para protestar contra o governo e cobrar o impeachment de Dilma Rousseff. Foto: Nina Ramos/iG RioNo Rio, assim como em outras cidades onde ocorreu o protesto deste domingo (15), o amarelo predominou nas roupas dos manifestantes. Foto: Nina Ramos/iG RioManifestantes começam a se concentrar em Brasília neste domingo (15) para pedir afastamento da presidente Dilma. Foto: CHARLES SHOLL/FUTURA PRESSManifestantes se concentram em Brasília a espera do protesto em defesa do afastamento da presidente Dilma Rousseff do cargo. Foto: CHARLES SHOLL/FUTURA PRESS

Mesma opinião tinha Marcello Reis, do Revoltados Online, para quem o grupo liderado por Chequer tentava reivindicar para si a organização dos protestos contra a presidente, apesar de não gritar diretamente por sua queda. "Querem sentar na janelinha e ainda mudar o nosso foco? Isso não aceitamos", atacou ele. 

"Novos dados legitimam impeachment"
De acordo com Chequer, o posicionamento do Vem Pra Rua não mudou, só ganhou o acréscimo de uma nova pauta que coloca o grupo mais próximo aos outros que se posicionam contra a presidente da República. Isso ocorreu, afirma, "porque temos novos dados que, em nossa opinião, já podem configurar o impeachment".

"Vemos uma série de possibilidades de ações políticas e jurídicas, incluindo de crime comum contra a Dilma. Mas não cabe a nós julgarmos. Nosso papel é canalizar a opinião das nossas bases que estão pedindo o 'fora Dilma'", diz ele. 

Leia também:
Movimento pelo impeachment convoca novo ato para o dia 12 de abril
Animado com atos do dia 15, grupo anti-Dilma antecipa horário de novo protesto
"Não somos a favor do impeachment, mas isso pode mudar", avisa líder de protesto

"Não seremos nós que iremos mostrar a tese jurídica. Acreditamos que a voz das ruas possuem um amparo legal e vamos acompanhar muito de perto tanto a parte politica quanto a jurídica. Para nós, a Dilma deve sair, seja por impeachment, cassação, renúncia, o que for. Mas tem de sair."

Seja como for, o desejo dos outros grupos em relação a um apoio maior do Vem Pra Rua nos atos foi atendido. E, assim como os colegas de rua, Chequer vê com otimismo a nova posição para fortalecer os movimentos dos próximos atos.

"Fazemos todo o esforço possível para unirmos e alinharmos nossas ideias com os outros grupos de oposição oposição, apesar de não canalizarmos as mensagens deles. Mas acredito, sim, que conseguiremos juntar ainda mais pessoas no dia 12", resume Chequer.

Leia tudo sobre: dilma rousseffimpeachmentanti-dilma

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas